A importância dos feriados prolongados em 2020 para o setor turístico



Última atualização: 3 de Janeiro de 2020 - 19:49
0
308

Alexandre Sampaio (*)

Em 2018, tivemos nove feriados nacionais e cinco pontos facultativos. De acordo com o Ministério do Turismo (MTur), essas pausas no calendário foram responsáveis por injetar R$ 28,84 bilhões na economia brasileira decorrente de uma média de 13,9 milhões de viagens realizadas durante esse mesmo período. Para o Turismo, os feriados prolongados costumam aquecer o setor e trazem expectativas de movimentações econômicas que geram produtividade em todo o país.

Já em 2017, o Ministério do Turismo, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), apontou também um acréscimo de R$ 21 bilhões no setor – sem considerar o Carnaval, Semana Santa, Natal e Réveillon –, o que demonstra uma progressão ao comparar os dois períodos no que diz respeito ao lucro geral voltado ao lazer, turismo, hospedagem e alimentação.

Em contrapartida, ao longo deste ano, tivemos uma diminuição destes feriados, o que impactou o percentual de viagens realizadas no país visto que não houve a possibilidade de aproveitamento das datas prolongadas. Agora, estamos entrando em 2020 com a possível de crescimento voltado ao setor em virtude dos onze feriados nacionais – sendo nove deles prolongados.

Além dos períodos tradicionais de alta temporada, os feriados exercem um grande impacto para o mercado de Turismo por injetar dinheiro na economia brasileira, além de contribuir para a geração de empregos.

Atualmente, muitas regiões brasileiras dependem do turismo para gerar renda para as cidades. Para auxiliar nesse aspecto, o Ministério do Turismo busca conscientizar a importância da identificação e da classificação das cidades para que políticas públicas voltadas ao turismo sejam implementadas da forma mais adequada, de acordo com as regiões do Brasil.

Nossa intenção para o próximo ano é apresentar trabalhos cada vez mais eficientes em prol de auxiliar o crescimento do setor, assim como o desenvolvimento das 332 regiões turísticas do Brasil, que acaba por tornar nosso país um dos destinos mais atraentes do mundo.

(*)  Alexandre Sampaio – Presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação

Comentários

Comentários

Deixar uma resposta