Abraciclo prevê aumento de 8,5% nas exportações de motos e receita de US$ 200 milhões em 2016

0

Brasilia – A indústria de duas rodas de Manaus pretende aumentar em 8,5% as exportações em 2016 e atingir US$ 200 milhões em vendas, com 75 mil unidades exportadas. A informação foi dada nesta terça-feira (12) ao ministro Marcos Pereira pelo presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), Marcos Fermanian. Em 2015, as exportações do setor caíram 21,5% em relação ao ano anterior.

Durante a audiência com o ministro, os representantes da associação também apresentaram dados que mostram a importância do setor que emprega 14 mil trabalhadores e é considerado o segundo mais importante do Polo Industrial de Manaus (PIM), com 13 fábricas e 16,5% do faturamento total do PIM.  As fábricas do Polo de Duas Rodas fabricam motocicletas, bicicletas, motonetas e triciclos.

Os representantes da Abraciclo também cumprimentaram o ministro pela renovação do Acordo Automotivo com a Argentina por mais quatro anos. Apesar de não serem beneficiados diretamente pelo acordo, que abrange apenas veículos de quatro rodas, a Argentina é o principal mercado externo para o setor de duas rodas (seguida por Colômbia, Peru, EUA e o Chile) e há uma expectativa de melhoria do ambiente de negócios para as exportações brasileiras.

Além de apresentar as estatísticas do setor, o presidente da Abraciclo defendeu os pleitos do setor relacionadas ao fortalecimento de pequenas e médias empresas de componentes, melhorias de infraestrutura para escoamento da produção, e revisão dos Processos Produtivos Básicos (PPBs).

Para estudar que medidas podem ser tomadas, o ministro Marcos Pereira determinou que a Abraciclo seja incluída no Grupo Técnico Permanente para o incremento da competitividade da Zona Franca de Manaus como plataforma de exportação (GT-ZFM).

O Grupo foi criado em 2015 e é coordenado pela Secretaria-Executiva do MDIC. Os objetivos do GT-ZFM são propor diretrizes, prioridades e medidas para ampliação das possibilidades de inserção internacional das empresas da região e para integração das empresas locais com o exterior, estabelecer canais de cooperação com órgãos da Administração Pública para obtenção de informações e meios visando à inserção internacional dos empreendimentos da região; e identificar setores com potencial exportador.

Fonte: MDIC

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta