AEB pede cautela na análise de eventual participação do Brasil em megaprojeto da China



Última atualização: 9 de Maio de 2019 - 10:01
0
63

Da Redação –

Brasília – Ao mesmo tempo em que faz uma defesa intransigente da realização de esforços pelo governo brasileiro visando atrair investimentos chineses principalmente para os múltiplos e gigantescos projetos de infraestrutura dos quais o Brasil tanto necessita, o presidente da AEB  analisa com cautela a possibilidade de o governo brasileiro vir a acertar sua adesão ao “Belt and Road Initiative”, ou “Um cinturão, uma rota”, iniciativa lançada pelo presidente Xi Jinping para ligar a Ásia, Oriente Médio, Europa e África por meio de ferrovias, portos e outras obras de infraestrutura.

A  expansão do projeto para a América Latina seria, na visão de fontes do governo de Pequim, uma prioridade para a China. Segundo dados divulgados pelo governo chinês,  Pequim pretende investir a astronômica cifra de US$ 1 trilhão no financiamento desses projetos. O Chile foi o primeiro país da América Latina a aderir formalmente ao megaprojeto chinês.

Em sua análise sobre a participação do Brasil nessa iniciativa, José Augusto de Castro afirmou que “em minha opinião, é melhor não tomar nenhuma decisão neste momento”.

E justificou: “o governo brasileiro busca aprovar no Congresso Nacional uma reforma da Previdência  e ainda que não faça uma reforma tributária, que seria muito difícil de se aprovar concomitantemente com a reforma previdenciária, deve-se alcançar a simplificação tributária e se isto acontecer, o Brasil continuará atraindo investimentos estrangeiros para projetos de infraestrutura e aí nós teremos mais competitividade do que temos hoje.Nesse contexto, uma eventual participação na “Um cinturão, uma rota” deve ser avaliada com o cuidado que o tema requer e sem açodamento”.

Em entrevista ao jornal O Globo, em meados de abril, o embaixador da China em Brasília, Yang Wanming, afirmou que “a iniciativa Um cinturão, uma rota” está em sintonia com os conceitos do novo governo brasileiro de alavancar o crescimento através do investimento, fortalecer o alicerce do desenvolvimento com a infraestrutura e aumentar a competitividade mediante inovação tecnológica. Podemos estudar a coordenação das estratégias de desenvolvimento os dois lados, afim de trazer maior progresso para as relações sino-brasileiras”.

O embaixador  Yang Wanming afirmou ainda que “de agora em diante, podemos alinhar ainda mais a iniciativa “Um cinturão, uma rota” com as estratégias brasileiras de crescimento, como o Programa de Parceria de Investimentos, com o intuito de explorar melhor o potencial em setores de infraestrutura, como portos, ferrovias, processamento de produtos agrícolas, manufatura avançada, energia e petróleo e gás”.

Poucas semanas depois de conceder essa entrevista, o embaixador chinês participou, em Brasília, do “Fórum de Think Tanks Brasil-China”, que reuniu acadêmicos, diplomatas, profissionais de diversas áreas de atuação e conhecimento do Brasil relacionados às questões sino-brasileiras. Na oportunidade, o diplomata destacou o momento estável e satisfatório da relação com o Brasil, tendo como perspectiva diversos encontros de alto nível entre autoridades dos dois países no decorrer deste ano.

A iniciativa  “Um cinturão, uma rota” também foi abordada pelo ex-embaixador chinês no Brasil, Li Jinzhang. Em mensagem encaminhada aos participantes do Fórum, ele afirmou que “dos mil projetos em andamento hoje nessa iniciativa, cem estão localizados na América Latina. É uma chance real de progresso para todos os participantes, num plano que engloba inovação cientifica e tecnológica  oportunidades estratégicas de desenvolvimento”.

Comentários

Comentários

Deixar uma resposta