Agricultura garante soberania alimentar e contribui para atender demanda global durante pandemia

0
74

Última atualização:

Judson Ferreira Valentim (*)

A crise global causada pelo coronavírus tem provocado uma corrida da população aos  mercados para adquirir itens de proteção e desinfecção e estocar alimentos e outros produtos de uso doméstico. Apesar da escassez de álcool em gel e máscaras em muitos países e regiões, não há notícias de falta sistêmica de alimentos para suprir a demanda de consumo, mesmo em países mais afetados até agora, como China, Itália, Irã, Espanha, Estados Unidos e França.

No Brasil, nos últimos 46 anos, a agricultura tornou-se cada vez mais forte, alicerçada na Ciência. Isso transformou o País em líder mundial em tecnologias para a agricultura tropical e em produção de alimentos. Entre os exemplos bem-sucedidos da ciência brasileira está a tropicalização da soja, hoje cultivada em 34,8 milhões de hectares em todas as regiões do País, com previsão de produção de 117,9 milhões de toneladas na safra 2019/2020. Outros bons exemplos são a tropicalização e expansão do cultivo de trigo no Cerrado e o desenvolvimento de cultivares e sistemas de produção de uva e pera em cultivos irrigados na região Nordeste do Brasil.

Com a agricultura movida a Ciência, o Brasil foi capaz de garantir a sua soberania alimentar, expandir a produção de biocombustíveis e passar de importador a um dos principais exportadores mundiais de alimentos. O País é o maior produtor e exportador de açúcar, café e suco de laranja. É também o segundo maior produtor e o maior exportador de soja e carnes de frango e bovina. Além disso, tem papel crescente na produção e exportação de algodão e milho.

Estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para a safra 2019/2020, apontam crescimento de 4,1% na produção de grãos, em comparação à safra passada. O indicativo atual é de um volume total de 251,9 milhões de toneladas, com crescimento de 9,9 milhões de toneladas em relação a 2018/2019. Para a área semeada, a expectativa é que sejam cultivados 64,78 milhões de hectares, ou seja, uma variação positiva de 2,4% em comparação àquela área utilizada na safra anterior.

A produção agropecuária nacional garante a segurança alimentar dos 210 milhões de brasileiros, embora a desigualdade de renda ainda limite o acesso à alimentação adequada para mais de 13,5 milhões de pessoas em situação de extrema pobreza. As exportações brasileiras de alimentos também contribuem para suprir a demanda de centenas de milhões de pessoas em mais de 200 países. Em 2019, o agronegócio nacional exportou 96,8 bilhões de dólares, o correspondente a 43,2% de todas as exportações do País. Mais uma vez, o agronegócio, que representa cerca de 20% do Produto Interno Bruto, atuou como âncora da economia brasileira.

Esse cenário é animador, mas os produtores brasileiros podem fazer muito mais. A produtividade atual da agricultura e pecuária brasileiras ainda está aquém da produtividade potencial, com uso das tecnologias já disponíveis, porém o acesso a recursos tecnológicos ainda é restrito no campo. Também, existem graves barreiras a serem vencidas para assegurar a continuidade do crescimento da produtividade e da produção agrícola do País. Os dois principais desafios são a universalização do acesso à assistência técnica e gerencial de qualidade e ao crédito rural, principalmente pelos pequenos e médios produtores.

É importante destacar que os mais de cinco milhões de produtores rurais, que fazem a produção agropecuária brasileira, também têm função vital na conservação ambiental do País. Esses produtores, de acordo com o Código Florestal, destinam parte de suas propriedades à conservação da biodiversidade da vegetação nativa em Reservas Legais e em áreas de Preservação Permanente, para a proteção dos cursos de água nos diferentes biomas brasileiros (80% na Amazônia, 35% no Cerrado e 20% nos demais biomas).

Nesses dias de crise global, além das medidas individuais e coletivas para prevenir o contágio com o coronavírus, uma das principais preocupações das pessoas e das comunidades é a segurança alimentar. Para evitar que as cadeias de produção, industrialização e comercialização de alimentos sejam interrompidas, o governo federal, em conjunto com outras esferas da gestão pública, vem atualizando regras legais e estabelecendo planos e estratégias para garantir o fluxo de transporte dos produtos agropecuários das propriedades rurais até as agroindústrias processadoras, as centrais de
abastecimento e os mercados e supermercados.

Essas medidas também visam assegurar os canais de produção, distribuição e comercialização de insumos agropecuários, essenciais para que esses milhões de estabelecimentos rurais possam continuar suas atividades de cultivo e de criações de animais, vitais para garantir a soberania alimentar e gerar excedentes para o País continuar exportando e contabilizando superávits na balança comercial, condição para a economia brasileira voltar a crescer.

Neste momento de crise, é importante também garantir a sustentabilidade do sistema de pesquisa e inovação agropecuário brasileiro, constituído pela Embrapa, organizações estaduais de pesquisa agropecuária, universidades e institutos federais de educação.

Diversas inovações que ajudaram os produtores a transformar a agricultura brasileira levaram anos até sair dos laboratórios para os pratos dos consumidores e envolveram esforços conjuntos de dezenas de pesquisadores de diferentes áreas de estudo. A liderança nacional em tecnologias para a agricultura tropical é um dos maiores ativos econômico, social e político do País e as inovações tecnológicas podem ajudar o Brasil e o mundo a superar momentos de crise, como a pandemia do coronavírus.

(*) Judson Ferreira Valentim, pesquisador da Embrapa Acre

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta