Apoiada pela quase totalidade dos membros da OMC, nigeriana pode ser vítima de rejeição de Trump

0

Genebra (Suíça) – O Presidente do Conselho Geral David Walker da Nova Zelândia e seus dois co-facilitadores no processo de seleção para escolher o próximo Diretor-Geral da OMC disseram aos membros da Organização em 28 de outubro que, com base em suas consultas com todas as delegações, o candidato mais bem preparado para chegar a um consenso e se tornar o 7º Diretor-Geral foi Ngozi Okonjo-Iweala, da Nigéria.

Os membros indicam forte preferência por Ngozi Okonjo-Iweala como DG, mas os Estados Unidos se opuseram à indicação.  “Ela claramente teve o maior apoio dos Membros na rodada final e claramente obteve amplo apoio dos Membros de todos os níveis de desenvolvimento e de todas as regiões geográficas, e tem feito isso em todo o processo. Portanto, estou enviando o nome de Ngozi Okonjo-Iweala como a candidata com maior probabilidade de obter consenso e recomendando sua nomeação pelo Conselho Geral como a próxima Diretora-Geral da OMC até 31 de agosto de 2024, ” afirmou o embaixador David Walker.

Walker enfatizou em uma reunião de Chefes de Delegação em 28 de outubro que esta era a avaliação da “troika” de facilitadores e que uma decisão formal deveria ser tomada pelos membros em uma reunião do Conselho Geral, que ele agendou para 9 de novembro.

O Conselho Geral é o órgão de decisão preeminente da OMC, exceto para a Conferência Ministerial que normalmente se reúne a cada dois anos. Mas a avaliação foi contestada pelos Estados Unidos, que disseram que continuariam a apoiar a ministra sul-coreana Yoo Myung-hee e não poderiam apoiar a candidatura do Dr. Ngozi Okonjo-Iweala.

O Embaixador Walker disse que os membros expressaram suas opiniões a ele e aos embaixadores Dacio Castillo (Honduras) e  Harald Aspelund (Islândia) durante a terceira e última fase de consultas realizada de 19 a 27 de outubro.

O presidente do Conselho Geral explicou que, desde o início do processo de substituição do ex-Diretor-Geral Roberto Azevêdo, o objetivo final desse processo de seleção comedido e claramente definido é o de obter uma decisão consensual dos países- membros da OMC. Ele elogiou os integrantes da Organização  por sua adesão às diretrizes e por sua forte participação no exercício.

“Todos os membros permaneceram totalmente engajados e comprometidos com este processo. Os facilitadores e eu somos gratos por esta resposta consistentemente muito positiva. Ao longo de todo o processo, ficou claro que todos os países-membros atribuíram a maior importância a esta nomeação ”, disse o Embaixador.

Ele prestou homenagem a todos os oito candidatos que participaram do processo de seleção do GD e, em particular, a Yoo Myung-hee, da República da Coréia, que avançou para o terceiro turno neste processo.

“A Sra. Yoo tem vasta experiência adquirida em vários cargos de liderança e suas excelentes qualificações são altamente valorizadas por todos os membros.”

O Conselho Geral concordou em 31 de julho que haveria três fases de consultas

O processo de consulta realizado pelos facilitadores foi definido por diretrizes estabelecidas pelo Conselho Geral em uma decisão de 2002. De acordo com essas diretrizes, a consideração chave para determinar qual candidato está mais bem posicionado para obter consenso é a “amplitude de apoio” que cada candidato recebe dos membros.

Durante os processos de seleção do Diretor-Geral de 2005 e 2013, a amplitude do apoio foi definida como “a distribuição de preferências entre regiões geográficas e entre as categorias de Membros geralmente reconhecidos nas disposições da OMC: isto é (países menos desenvolvidos), países em desenvolvimento e países desenvolvidos” . O Presidente disse que ele e seus colegas foram guiados pelas práticas estabelecidas nestes procedimentos do Conselho Geral e explicou ainda que as decisões deixavam claro que “amplitude de apoio significa maior número de membros”.

O processo de seleção de um novo Diretor-Geral foi desencadeado em 14 de maio, quando o ex-Diretor-Geral, Embaixador Roberto Azevêdo, informou aos membros da OMC que renunciaria ao cargo um ano antes do término de seu mandato. Posteriormente, ele deixou o cargo em 31 de agosto e o embaixador Walker imediatamente deu continuidade aos procedimentos para a nomeação do novo Diretor-Geral, de acordo com as diretrizes de 2002. Essas diretrizes exigem que o Presidente do Conselho Geral inicie consultas com os membros sobre a seleção do Diretor-Geral o mais rápido possível e “pode estabelecer prazos acelerados conforme necessário em consulta aos países-membros”.

(*) Com informações da OMC

 

 

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta