Associação Comercial promove visita de empresários a Santos para estimular projeto Porto 24 Horas

0

São Paulo – A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai organizar uma visita técnica ao Porto de Santos, no dia 13, para apresentar o projeto Porto 24 Horas a exportadores e importadores. O objetivo é engajar os empresários no apoio ao funcionamento contínuo do terminal paulista. Há 12 vagas disponíveis no grupo.

Segundo José Cândido Senna, coordenador geral do Comitê de Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo e do Projeto Exporta São Paulo, o funcionamento contínuo do porto santista é fundamental para reduzir o tempo de armazenagem dos contêineres e aumentar a circulação de mercadorias no local. Hoje, o porto funciona de segunda a sexta das 07 às 19 horas e aos sábados até às 14 horas.

Ele conta que, atualmente, 56% dos contêineres de cargas gerais de comércio internacional que ocupam o porto, excluindo os granéis, são de importação. Em média, eles ficam parados em Santos por até 16,5 dias, já que os processos de conferência aduaneira para a importação são mais rigorosos.

“O tempo de permanência dos contêineres de importação no complexo portuário santista é extraordinariamente elevado. Com isso, os importadores têm que trabalhar com estoques mais elevados, e estoques maiores são custos maiores. Isso onera o processo”, explica.

Ele lembra que isso também prejudica os exportadores. “O crescimento dos estoques de importação expulsou as áreas que eram destinadas aos exportadores”, destaca. Segundo Senna, os exportadores precisam levar suas cargas ao porto com até nove dias de antecedência ao embarque do navio.

“Para que isso melhore, para que haja vazão para todas as cargas, é preciso que os órgãos anuentes trabalhem 24 horas por dia, sete dias por semana. Mas essa morosidade no complexo portuário inclui não só os órgãos anuentes, mas importadores, exportadores e despachantes aduaneiros”, ressalta Senna.

Os órgãos anuentes, que trabalham para a liberação das cargas, abrangem a Polícia Federal, a Autoridade Portuária, a Capitania dos Portos, o Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Receita Federal.

De acordo com o coordenador da ACSP, se for reduzido o tempo de permanência dos contêineres de importação em Santos de 16,5 dias para 5,5 dias, a capacidade do porto pode ser aumentada em até 200%. “Com o Porto 24 horas, aumenta a oferta de serviços. A área de estocagem produz mais e há ganhos de competitividade em exportações e importações”, diz.

Financeiramente, a redução do tempo de estocagem também traz diminuições de custos importantes ao comércio exterior brasileiro. Senna exemplifica que um contêiner de 20 pés, no valor de US$ 90 mil dólares, que atualmente paga US$ 1,8 mil para ficar estocado por 16,5 dias, teria seu custo de armazenagem reduzido para US$ 720 dólares se ficar apenas 5,5 dias.

Com o funcionamento contínuo do Porto de Santos, deverá haver ainda um aumento expressivo do número de empregos no local. Senna estima que até 50 mil vagas podem ser geradas.

Engajamento

O Projeto Porto 24 Horas foi criado em 2007 pelo Comitê de Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo. O projeto tem o apoio da Secretaria Especial de Portos, vinculada à Presidência da República, que pretende levá-lo também aos portos do Rio de Janeiro, Vitória, Rio Grande, Itajaí, Paranaguá, Suape e Fortaleza.

Senna ressalta que, para que se torne viável, é preciso que exportadores e importadores se envolvam no processo, já que seu trabalho é fundamental para o funcionamento contínuo dos portos. “O empresário brasileiro reclama do custo Brasil, mas o engajamento efetivo é relativamente baixo, eles participam pouco”, diz.

Esta é a razão da visita do dia 13. A programação inclui encontro com o inspetor chefe da Alfândega do Porto de Santos e com dirigentes locais de outros órgãos anuentes de importação e exportação; visita a um terminal portuário de contêineres; visita à sede do Controle de Segurança dos Portos (Codesp) e reunião com seus dirigentes, entre outras atividades.

Os participantes terão também um almoço com Senna, no qual ele irá apresentar o projeto Porto 24 Horas. Esta será a segunda visita realizada para promover o projeto. A primeira ocorreu em 16 de julho.

A visita é aberta à participação de exportadores, importadores e profissionais de logística e comércio exterior. Os custos para quem quiser participar são de R$ 350 para pessoas não ligadas às entidades promotoras do evento e R$ 300 para profissionais ligados à ACSP e outras instituições que apoiam a visita. Associados da Câmara de Comércio Árabe Brasileira se beneficiam do desconto.

As inscrições podem ser feitas até o dia 11 pela manhã. A programação e a ficha de inscrição estão disponíveis no linkhttp://migre.me/gyP5E.

Fonte: ANBA

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta