Brasil tem chance de vender produtos de maior valor agregado aos países árabes, diz presidente da CCAB

0
345

Última atualização:

São Paulo – As mudanças nos hábitos de consumo trazidas pela pandemia do novo coronavírus abrem brecha para que o Brasil passe a ser fornecedor também de produtos de maior valor agregado aos países árabes. O presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Rubens Hannun (foto acima), falou no Fórum Paulista de Desenvolvimento (Fopa), nesta terça-feira (30), sobre o esforço que está sendo feito para que a exportação de itens de maior valor aos árabes avance. O evento ocorre até o final do dia, de forma online.

“Os consumidores árabes estão procurando outros produtos. Ao invés de irem a restaurantes comprarem produtos nobres, carnes nobres, comem dentro de casa, então procuram comprar, através do e-commerce, as carnes nobres”, contou ao Hannun aos participantes. Demandas como essa, do comércio online de alimentos, estão chegando no Brasil.

“Assim como esses, eles vêm procurar outros produtos com valor agregado no Brasil, é uma grande oportunidade que nós temos”, disse.

Brasil tem chance de vender produtos de maior valor agregado aos países árabes, diz presidente da CCAB
Alckmin conduziu debates no Fopa 2020/Reprodução Zoom

Hannun participou do Fopa pela manhã, em seção sobre oportunidades internacionais, com mediação do ex-governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin. O ex-governador falou que o novo patamar do câmbio também motiva as exportações. “Temos a oportunidade com o novo câmbio, com o dólar a R$ 5, de abrir uma exportação agora para também produtos de valor agregado”, disse Alckmin, reforçando outros dados divulgados por Hannun, como o fato de os árabes formarem o terceiro maior parceiro comercial do Brasil no exterior, e o segundo para o agronegócio.

Hannun convidou as empresas interessadas no fornecimento ao mercado árabe a procurarem a Câmara Árabe ou as associações às quais pertencem. Ele contou que a entidade criou um comitê comercial estratégico para atender as demandas árabes surgidas na pandemia e que o trabalho está sendo feito em parceria com associações. “Estamos conversando com todas as associações setoriais e organizando os novos fornecedores, criando uma qualificação desses fornecedores para trabalhar com o mercado árabe”, disse.

O presidente da Câmara Árabe contou sobre o bom desempenho do comércio do Brasil com os árabes no ano passado e importantes iniciativas ocorridas em 2019, como a visita da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e o presidente Jair Bolsonaro à região, a presença do escritório internacional da Câmara Árabe nos Emirados Árabes Unidos, e a realização do prêmio de empreendedorismo World Company Award (Woca), no Egito. Ele contou que a relação do Brasil com os árabes andava muito bem, e que com a pandemia, passou por adaptação, mas apareceram oportunidades, como as novas demandas de produtos.

O prêmio Woca é organizado pelo Global Council of Sales Marketing (GCSM), que tem à frente Agostinho Turbian, e promoveu no Egito em 2019 também um fórum de discussões com empresários sobre as relações do Brasil e do Egito. Rubens Hannun presidiu o Woca no Cairo e foi um dos seus homenageados. O GCSM também é o organizador do Fórum Paulista de Desenvolvimento, no qual Hannun falou, e que tem por objetivo discutir temas relativos ao plano do governo do estado para os próximos quatro anos.

(*) Com informações da ANBA

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta