Brasília ainda não tem data para anunciar empresa que construirá estádio para Copa

0
133

Última atualização:

Brasília – A Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), empresa distrital responsável pela licitação da construção do Estádio Nacional de Brasília, faria ontem (17) a abertura dos envelopes com as propostas dos três grupos interessados na obra: OAS, Odebretch e Andrade Gutierrez/Via Engenharia. No entanto, a comissão formada por profissionais das áreas técnica, jurídica e financeira do órgão decidiu fazer uma análise documental antes de divulgar os valores propostos pelas construtoras.

Segundo a assessoria da Novacap, ainda não há data para o anúncio da empresa vencedora, nem para o início da obra. Isso porque depois do período de análise das propostas e da divulgação do resultado da concorrência, sem limite de tempo, há ainda um período em que as empresas podem entrar com recurso para questionar a decisão.

O custo da reforma do Estádio Mané Garrincha não poderá passar de R$ 702 milhões, teto definido no edital. Mas a proposta mais baixa pode não ser a escolhida para a obra. De acordo a assessoria da Novacap, a comissão vai levar em conta aspectos técnicos e a conformidade dos materiais oferecidos com as exigências da Fifa.

Denúncias de suposto esquema de propina

Entre as concorrentes estão a OAS e a Via Engenharia, construtoras do Distrito Federal que, no início do ano, tiveram seus nomes envolvidos com o suposto esquema de pagamento de propina no governo do DF conhecido como “mensalão do Democratas de Brasília”.

Em uma lista divulgada pela imprensa no fim do ano passado, que teria sido feita pelo ex-secretário de Obras do DF, Márcio Machado, aparecem os nomes de 41 empresas que teriam feito doações ilegais em 2006 para o então candidato ao governo distrital, José Roberto Arruda. Nela, aparece uma empresa chamada “Via”, que teria dado R$ 300 mil à campanha. O nome da OAS apareceu na mesma lista com uma suposta doação de R$ 10 mil. Consultadas, as assessorias das empresas não enviaram respostas à reportagem.

A reforma

A principal mudança ocorrerá na capacidade do estádio, que passará de 42 mil para 71 mil lugares. De acordo com o edital aprovado pelo Tribunal de Contas do DF, a vencedora da licitação fará os trabalhos de desenvolvimento de projeto executivo dos sistemas especiais de tecnologia, “broad-casting”, execução das obras civis de recuperação estrutural da atual estrutura de arquibancadas, obras civis para adaptação e ampliação das novas arquibancadas, rebaixamento do nível do gramado, construção dos demais ambientes contidos no projeto executivo de engenharia, assim como a execução das instalações e dos sistemas elétricos, hidráulicos, de ar-condicionado e de segurança.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta