Brazil Cosmetics abrirá escritório em Dubai para ampliar vendas nos mercados dos países árabes

0

São Paulo – A Brazil Cosmetics, empresa de cosméticos capilares especializada em produtos para alisamento com sede em Praia Grande, no litoral paulista, irá abrir um escritório internacional em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, até junho. A companhia tem sete anos e começou seus negócios vendendo ao Egito, que segue sendo seu principal mercado. Hoje, atende todos os países árabes, e o bloco constitui cerca de 75% do total exportado.

A ANBA entrevistou o CEO da empresa, Paulo Amorim (na foto acima, à direita, com seu representante no Iraque). Ele contou que abrirá o escritório durante a semana em que estiver participando da feira de cosméticos Beautyworld Middle East em Dubai, de 31 de maio a 02 de junho. Ele também quer montar um espaço na zona franca de Dubai para ter estoque e exportar para a região.

Divulgação

 

 

 

 

 

Brazil Cosmetics participa da Beautyworld Middle East há dois anos

“Com o escritório, pretendemos ampliar muito as vendas para o mundo árabe, teremos espaço para reuniões, estoque para pronta-entrega, tudo para facilitar os negócios e atrair mais clientes na região”, disse Amorim.

A empresa conta com doze marcas próprias, como a Amazon Flowers e a Ipanema Biorestore, e também fabrica produtos de “private label” para clientes sob demanda.

Amorim trabalha com cosméticos há mais de doze anos, e quando surgiu a oportunidade de exportar, montou seu próprio negócio, a Brazil Cosmetics. “Abrimos a empresa direto para o mercado de exportação, apareceu uma oportunidade no Egito e o produto fez muito sucesso, e árabes de outros países começaram a procurar. Hoje atendemos todos os países árabes, mas Egito, Iraque e Líbia são nossos principais mercados”, disse. A Brazil Cosmetics vende entre cinco e seis toneladas de produtos capilares por mês aos países árabes. Deste total, uma tonelada e meia vai para o Egito.

Há um ano, a empresa começou a vender para o mercado interno, mas 90% do total produzido é exportado para árabes, Europa, América do Sul, Estados Unidos, Canadá e Austrália.

A proteína orgânica para alisamento da Amazon Flowers é o carro-chefe da empresa. “É a que vende mais, vai para o Egito e está em todos os países árabes, e é totalmente sem formol; nenhum dos nossos produtos utiliza formol, não usamos ingredientes de origem animal e é tudo orgânico”, contou Amorim. Além dos alisadores, a empresa também oferece tratamentos capilares, xampus, colorações, descolorantes, máscaras de hidratação e reconstrução capilar, entre outros.

Divulgação

Amazon Flowers, uma das marcas da Brazil Cosmetics

Amorim é de São Paulo e optou por montar a fábrica em Praia Grande por ser uma cidade mais próxima ao Porto de Santos, por onde são embarcados os produtos. Ele conta que também existe o projeto de um aeroporto de cargas em Praia Grande. “Deve ficar pronto daqui a 10 a 12 anos, e queremos ter um galpão de cargas lá, já estamos entrando com os pedidos porque a concorrência vai ser grande”, contou Amorim.

Segundo ele, a fábrica está em um local estratégico para atender às exportações de forma rápida. “Não me importo só em vender, mas também penso na agilidade do processo de exportação. Os árabes gostam que os produtos cheguem rápido e eu tento atender da melhor forma”, pontuou.

A companhia vai participar da Beautyworld Middle East em Dubai com o estande da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), no pavilhão de cabelos. Em seguida, fará workshops em Omã, e participará da feira de beleza da Itália, que ocorreria em março, mas foi adiada. Em setembro, participará da Beautyworld Arábia Saudita, no estande da Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

“Acredito que por nossos produtos serem orgânicos e virem do Brasil, eles vendam tão bem. As mulheres árabes gostam de ter os cabelos longos, lisos e saudáveis, e nós temos um diferencial perante os outros países que também produzem cosméticos para alisamento, mas utilizam ingredientes artificiais, com muita química, que até alisam, mas não fazem bem para a saúde”, disse Amorim.

(*) Com informações da ANBA

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta