Complexo Porto do Açu será parceiro estratégico da China e terá ZPE operando em 2021, diz CEO

0
7

Da Redação –

Brasília – O Complexo do Porto do Açu, em operação desde 2014, é um dos destaques da Intermodal South America 2019, o maior evento de logística, transporte de cargas e comércio exterior da Améria Latina, que teve início neta terça-feira (19) e será encerrada amanhã (21), em São Paulo. No estande do Porto do Açu, os visitantes têm informações sobre o maior complexo portuário, industrial e energético do Brasil, localizado em São João da Barra (RJ).

Tadeu Fraga- CEO do Porto do Açu Operações

Coincidindo com a participação nesse importante evento, o CEO do Porto do Açu Operações, Tadeu Fraga, concedeu entrevista exclusiva ao portal Comexdobrasil.com por email. Na entrevista, Fraga falou sobre as expectativas da empresa neste ano de 2019, previu um crescimento de 30% na movimentação de cargas no complexo portuário, confirmou a expectativa de que o Complexo do Porto do Açu se transforme em um parceiro estratégico da China e confirmou a previsão da entrada em operação da Zona de Processamento de Exportações (ZPE) do Açu para o ano de 2021. A seguir a entrevista do CEO da Porto do Açu Operações.

Comexdobrasil.com:     O governo do presidente Jair Bolsonaro acaba de completar seu primeiro mês. Qual é a expectativa do senhor em relação a esse governo?

Tadeu Fraga: Acredito que o ano de 2019 promete avanços consideráveis para o setor da infraestrutura e que os planos de concessão já em andamento, assim como a renovação das concessões já existentes, serão mantidos e acelerados.

Comexdobrasil.com:  As deficiências em matéria de infraestrutura constituem um dos principais gargalos a dificultar o crescimento do comércio exterior brasileiro e são componente relevante do chamado “custo Brasil”. O senhor, que dirige um dos portos mais modernos e eficientes do país, acredita que nos próximos quatro anos será possível encontrar solução para esses problemas e aumentar a eficiência das empresas e consequentemente elevar a competitividade do Brasil no comércio exterior?

Tadeu Fraga: Para destravar o desenvolvimento econômico do país, é necessário um grande investimento em infraestrutura. É preciso reduzir o custo com o transporte de carga e aumentar a competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional.

Um dos projetos que tem grande relevância para o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro é a construção da EF-118, ferrovia que conectará o Rio de janeiro a Vitória (ES). Além de passar por importantes empreendimentos para o estado, como Comperj e o Porto do Açu, a EF-118 cria um arco ferroviário, conectando todos os estados do Sudeste.

Comexdobrasil.com:    Em 2018, o T-MULT do Porto do Açu bateu novo recorde de movimentação de cargas, com um total de 656 mil toneladas, número 12 vezes superior àquele alcançado em 2016, ano de sua inauguração. Qual é a estimativa para este ano? Essa tendência de forte alta na movimentação de cargas deverá ter continuidade?

Tadeu Fraga: A expectativa para 2019 é de um novo crescimento, com uma movimentação 30% maior do que a registrada no ano passado. Um dos diferenciais do T-MULT é sua profundidade, que permite a atracação de navios Panamax e possibilita que ele seja uma excelente alternativa para cabotagem. Além disso, para este ano está prevista a expansão do terminal, com a ampliação do pátio de estocagem e a construção de silos e armazéns, o que possibilita a movimentação de novas cargas, como granéis agrícolas, fertilizantes.

Importante destacar que o crescimento dos volumes movimentados no T-MULT tem acontecido de forma absolutamente segura. Atingimos 800 dias de operação sem incidentes.

Comexdobrasil.com:    Em dezembro passado, a Porto do Açu Operações realizou o Port Day, com o objetivo de atrair empresas mineiras para realizar operações através dessa unidade portuária, aproveitando a localização estratégica e a infraestrutura de ponta do Porto do Açu para aumentar a competitividade das empresas mineiras. Essa iniciativa já apresenta resultados concretos? Empresas de outros estados que, a exemplo de Minas Gerais, não dispõem de acesso direto ao mar, também podem vir a utilizar o Porto do Açu para enviar seus produtos ao exterior?

Tadeu Fraga: Com certeza. O Porto do Açu tem vocação para ser a solução portuária das indústrias localizadas no Sudeste e Centro Oeste do país, tanto para escoar a sua produção quanto para importar insumos e recursos, desafogando os portos que estão operando próximo de sua capacidade máxima. Além disso, o Açu também pode ser alternativa para o escoamento agrícola dos estados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

A localização estratégica e a infraestrutura de ponta já existentes no Complexo podem tornar os produtos produzidos nacionalmente ainda mais competitivos, tendo em vista a redução com custos logísticos.

Comexdobrasil.com: A Zona de Processamento de Exportações do Porto do Açu foi criada em 2017 e deverá estar em operação no ano de 2020. Essa previsão será mesmo confirmada? O que deverá ser feito este ano para avançar com o cronograma de obras de instalação dessa ZPE?

Tadeu Fraga: A criação da Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Açu foi sugerida pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro e criada, por meio de decreto presidencial, no final de 2017. A próxima etapa é governo do estado do Rio de Janeiro lançar ainda neste ano um edital para definir a empresa que será a administradora desta ZPE.

A previsão é que a ZPE do Açu esteja em operação em 2021. Importante destacar que a instalação desta zona não impulsiona apenas as exportações de produtos nacionais, mas também estimula o desenvolvimento de segmentos produtivos locais e regionais. Com isso, o Porto do Açu irá impulsionar a produção brasileira, agregar valor à base exportadora, promover a difusão tecnológica do Brasil e, principalmente, gerar empregos em uma cadeia de produção robusta.

Comexdobrasil.com:  Ano passado, missões empresariais de países como o Japão, foram convidadas para conhecer a infraestrutura do complexo portuário, industrial e energético e as vantagens competitivas da ZPE do Porto do Açu. Esse programa de visitas terá continuidade este ano? Quais países devem ser o alvo desse tipo de iniciativa?

Tadeu Fraga: Estabelecer contatos e apresentar o Complexo para potenciais investidores é algo que já faz parte da nossa rotina. Neste ano, já recebemos no Açu representantes da Jetro (The Japan External Trade Organization), e realizamos roadshows na índia e na China.

Além disso, trabalhamos continuamente na realização de visitas de empresas nacionais e estrangeiras, pois acreditamos que conhecer de perto a infraestrutura do Açu é uma etapa essencial para a tomada da decisão do investimento. Tanto é que já tivemos visitas de praticamente todos os key players do O&G no Açu.

 Comexdobrasil.com:    Em 2017 o presidente José Magela afirmou que “o Complexo Portuário do Açu reúne todas as condições para se tornar o Porto da China no Brasil”. O que falta para que essa afirmação se transforme em realidade? Há alguma iniciativa em curso para um maior uso do Porto do Açu para o transporte de mercadorias brasileiras com destino ao principal parceiro comercial do Brasil?

Tadeu Fraga: O Complexo do Porto do Açu tem um grande potencial para se tornar um parceiro estratégico da China, com a criação de oportunidades em diversas frentes e segmentos.

Neste ano, executivos da empresa realizaram roadshow na China e participaram de diversas reuniões com potenciais clientes e investidores, com o objetivo de acompanhar discussões já iniciadas e identificar novas oportunidades de negócios.

Além da China, temos realizados roadshows e reuniões com potenciais clientes da Ásia, como Japão, Coréia do Sul, Singapura e Índia.

Comentários

Comentários

Deixar uma resposta