Consumo em alta mantém importação de milho para atender à demanda interna e evitar o desabastecimento

0

Paranaguá (PR) – O Porto de Paranaguá deverá receber nos próximos dias mais um navio de milho vindo da Argentina. A importação – nada habitual, tendo em vista que o Brasil é um grande exportador do produto – se deve ao aumento na demanda para o consumo interno e baixa produção nesta safra, o que fez os preços da commodity dispararem.

O Brasil é o terceiro maior produtor de milho, atrás dos Estados Unidos e da China, mas a seca prejudicou a colheita nacional. Com o baixo volume de chuvas entre abril e maio deste ano, a safra brasileira de milho está sendo menor do que o esperado nesta temporada.

No porto paranaense a importação do milho – destinada para ração animal – está sendo operada pela Fortesolo. A taxa para importação de milho segue suspensa pelo Ministério da Agricultura até o fim do ano, com o objetivo de conter preços do mercado interno.

A carga dos três primeiros navios que chegaram ao litoral paranaense nos últimos meses totalizou 102.799 toneladas de milho.

Segundo o presidente da Fortesolo, Marco Ghidini, a expectativa é receber mais 35 a 40 mil toneladas de milho à granel, que deve atender produtores rurais do Estado na destinação do grão para alimentação animal.

“O Brasil vem exportando grandes quantidades desta commodity e, nos tempos atuais, vem tendo uma demanda maior que a oferta, o que favoreceu algumas medidas governamentais para a importação. Nesta seara, a Fortesolo está atenta às movimentações econômicas e alerta às necessidades logísticas junto ao Porto de Paranaguá”, declara Ghidni.

Suspensão de impostos

No fim de abril, o Ministério da Agricultura e Pecuária anunciou a suspensão da alíquota do imposto de importação para o milho. A decisão partiu do Comitê-Executivo de Gestão (Gecex), da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

A retirada dos impostos foi baseada na alta de preços, já que “as cotações internacionais tiveram comportamento de alta, pressionando ainda mais os preços internos”, como explica a nota divulgada pelo Ministério.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta