Cooperativas exportam US$ 940,2 milhões e acumulam superávit de 25,1% no primeiro bimestre

0
131

Última atualização:

Brasília  – No primeiro bimestre do ano (janeiro e fevereiro), as cooperativas brasileiras exportaram US$ 940,2 milhões, com aumento de 23% em relação ao mesmo período de 2012 (US$ 764 milhões). A participação das cooperativas na pauta exportadora brasileira passou de 2,2%, em 2012, para 3%, em 2013. As importações do setor fecharam o bimestre com compras de US$ 28,3 milhões e redução de 19,1% em relação a 2012 (US$ 35,1 milhões). A participação do segmento nas importações nacionais manteve-se na mesma proporção de 0,1%.   

Com esses resultados, a balança comercial registrou saldo positivo de US$ 911,7 milhões, valor 25,1% superior ao observado no primeiro bimestre de 2012, quando atingiu US$ 729 milhões. O superávit bimestral em 2013 é recorde na série histórica da balança comercial do setor. A corrente de comércio das cooperativas (soma das exportações e importações) foi de US$ 968,5 milhões, com expansão de 21,2% em relação a 2012 (US$ 799,1 milhões).

Mercados e Produtos

Em janeiro e fevereiro, os Emirados Árabes Unidos (vendas de US$ 126,1 milhões, representando 13,4% do total) foi o principal mercado de destino das exportações das cooperativas brasileiras, seguido por Estados Unidos (US$ 124,6 milhões, 13,3%); Alemanha (US$ 65,3 milhões, 7%); China (US$ 58,4 milhões, 6,2%); e Arábia Saudita (US$ 48,1 milhões, 5,1%). As vendas externas das cooperativas alcançaram, no período, 111 países. Em 2012, este número foi de 106 países.

O produto mais comercializado pelo segmento, em valor, no período, foi açúcar refinado, com vendas de US$ 254,6 milhões, representando 27,1% do total exportado. Na sequência, os produtos mais vendidos, em 2013, foram: etanol (US$ 134,7 milhões, 14,3%); café em grão (US$ 113,1 milhões, 12%); carne de frango (US$ 88,6 milhões, 9,4%); e açúcar em bruto (US$ 72,7 milhões, 7,7%).

São Paulo foi o estado que registrou o maior valor de exportações de cooperativas, de US$ 439,3 milhões, representando 46,7% do total das vendas do setor. Em seguida aparecem: Paraná (US$ 193,8 milhões, 20,6%); Minas Gerais (US$ 108 milhões, 11,5%); Santa Catarina (US$ 57,4 milhões, 6,1%); e Mato Grosso (US$ 50,6 milhões, 5,4%).

Em relação às importações, as principais origens das compras bimestrais foram: Japão (compras de US$ 4,4 milhões, representando 15,6% do total); Rússia (US$ 4,2 milhões, 14,8%); Paraguai (US$ 3,8 milhões, 13%); Bélgica (US$ 2,9 milhões, 10,1%); e China (US$ 2,3 milhões, 8,1%).

Os produtos mais adquiridos pelo setor cooperativista brasileiro, nos dois primeiros meses de 2013, foram: máquinas e aparelhos para preparação de carnes (com compras de US$ 4,4 milhões, representando 15,4% do total importado pelas cooperativas); batatas preparadas ou conservadas, congeladas (US$ 11,7 milhões, 3,3%); ureia com teor N>45 (US$ 3 milhões, 10,5%); soja em grão (US$ 2,5 milhões, 9%); e cloretos de potássio (US$ 2,5 milhões, 8,7%).

O estado que mais importou, no acumulado bimestral, foi o Paraná, com aquisições de US$ 19,7 milhões, representando 69,5% do total das compras deste segmento. Em seguida aparecem: Santa Catarina (US$ 4,4 milhões, 15,6%); Rio Grande do Sul (US$ 3 milhões, 10,7%); São Paulo (US$ 633,3 mil, 2,2%); e Mato Grosso do Sul (US$ 276,0 mil, 1%).

Acesse os dados da balança comercial das cooperativas

Fonte:
Assessoria de Comunicação Social do MDIC

Comentários

Comentários