É no transporte que acontece mais adulteração na carga de fertilizantes



Última atualização: 7 de Fevereiro de 2020 - 17:14
0
461

Luana Cagnani (*)

A grande demanda por fertilizantes devido ao crescimento do agronegócio no Brasil, a alta do dólar e os valores elevados dos fertilizantes vêm despertando o interesse de pessoas que, muitas vezes, adulteram cargas para fazer transações duvidosas e levar vantagem financeira.

É difícil mensurar qual é o montante de prejuízo que o País enfrenta com esse tipo de adulteração, porque não há estatísticas oficiais. No Brasil, a logística de fertilizantes é muito complexa, pois muitas vezes as cargas que chegam ao porto de Santos precisam se deslocar por mais de 2.000 km até chegar ao produtor no interior do Centro Oeste. É exatamente durante o transporte que são registrados maiores índices de adulteração total ou parcial nas cargas, mas também existe risco quando há uma mudança de modal em cada ponto da cadeia logística.

Somos o principal importador do mercado de fertilizantes da América Latina. No entanto, para desfrutar plenamente desse potencial mercadológico, os importadores devem tomar precauções para garantir a qualidade do produto que chega aqui. Se o fertilizante estiver fora de especificação, é bem provável que não vai atender às expectativas de rendimento em uma determinada plantação.

A Intertek, por exemplo, há mais de 130 anos oferece ao mercado serviços de inspeção, amostragem, testes, análises, certificação e rastreabilidade, procurando garantir a confiabilidade dos produtos de todos os principais players de fertilizantes, como importadores, fabricantes, tradings e cooperativas.

Para certificar produtos de seus clientes, a Intertek se torna “o olho do dono” ao longo de toda a cadeia logística de distribuição de fertilizantes, desde o desembarque no porto, carregamento dos caminhões, vagões, barcaças e misturadoras. Entre os problemas mais frequentes encontrados nas análises da Intertek, destacam-se: adição de calcário e a substituição de produto, inserindo areia ou rocha triturada, com aparência semelhante ao fertilizante, mas sem a composição necessária para os clientes.

O processo de análise dos fertilizantes começa com uma amostragem criteriosa, de acordo com normas internacionais, passando depois para a homogeneização da amostra para garantir a representatividade do lote, registro da amostra e contra prova. Inicialmente são feitos testes da carga do cliente, procedendo-se uma análise visual, granulometria, dureza e umidade. Mas, dependendo do produto, também são feitas análises químicas com sofisticados equipamentos. Para dar mais rapidez e confiabilidade nos resultados, os laboratórios da Intertek utilizam as mais modernas tecnologias e equipamentos e os laudos podem ser liberados em até 72 horas.

A Intertek possui no Brasil 5 laboratórios credenciados pelo MAPA para análises em fertilizantes, os quais estão estrategicamente localizados nos principais portos de entrada da importação de fertilizantes, como: Itaqui, Aratu, Rio Grande do Sul, Santos e Paranaguá. Também conta com cerca de 300 inspetores capacitados, permanentemente treinados e atualizados. Além do credenciamento no MAPA, a Intertek é associada à ANDA – Associação Nacional para Difusão de Adubos, por meio da qual participa de ensaios interlaboratoriais periódicos.

(*) Luana Cagnani é Gerente de Agricultural Service da Intertek

Comentários

Comentários

Deixar uma resposta