Embaixador Yang Wanming abre segundo dia de Diálogo Brasil-China sobre Agricultura sustentável

0

Rio de Janeiro – O segundo dia do Diálogo Brasil-China sobre Agricultura Sustentável contará com a fala do embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, na abertura. Biodiversidade e economia circular dominarão os debates, que visam a ampliar a cooperação bilateral na agricultura sustentável com financiamento e tecnologia. 

A biodiversidade está na pauta da China neste ano, pois o país é sede da COP15 sobre Diversidade Biológica das Nações Unidas, marcada para outubro, na cidade de Kunming. Já sob o âmbito da economia circular, o destaque é para o desafio de substituição do plástico e de fibras fósseis.

O evento online, organizado pelo Conselho Empresarial Brasil-China e pelo think tank chinês Institute of Finance and Sustainability (IFS) reúne pela primeira vez, setor produtivo e sociedade civil dos dois países para discutir a agricultura sustentável.

O encerramento será do presidente do IFS, Ma Jun, ex-economista-chefe e ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco do Povo da China, o banco central do país asiático. O economista também preside o Comitê de Finanças Verdes da China, é co-presidente do Grupo de Estudos sobre Finanças Verdes do G20 e atua como conselheiro especial do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. O Diálogo Brasil-China sobre Agricultura Sustentável é patrocinado pelas empresas Bayer, BRF e Suzano.

No primeiro dia, a abertura foi da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, após as boas-vindas do presidente do Conselho Empresarial Brasil-China, Luiz Augusto de Castro Neves. O ministro da Agricultura e Assuntos Rurais da China, Tang Renjian, e o presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), Marcos Troyjo, participaram por meio de vídeos pré-gravados.

No primeiro dia, foi destacada a necessidade de se ampliarem mecanismos de cooperação e de troca de informações nas áreas de finanças verdes e agricultura sustentável. Ma afirmou que a China tem recursos e 700 fundos verdes, mas carece de informações sobre projetos de agricultura sustentável no Brasil que poderiam receber financiamentos.

A ministra da Agricultura ressaltou que o Brasil tem um dos maiores programas do mundo de agricultura de baixo carbono, o Plano ABC+, que já levou à adoção de tecnologias do tipo em 20% da área cultivada do país. Tang Renjian, ministro da Agricultura e Assuntos Rurais da China, apresentou quatro propostas para aprofundar a cooperação bilateral em agricultura, incluindo o desenvolvimento conjunto de tecnologias que viabilizem a produção sustentável.

A China é o principal destino das exportações do agronegócio brasileiro, enquanto o Brasil é maior fornecedor de soja e está entre os líderes nas importações de carnes e celulose do país asiático. A sustentabilidade na agropecuária é um tema de fundamental importância para ambos os países, que buscam conciliar segurança alimentar e preservação do meio ambiente por meio de inovações tecnológicas e aumento da produtividade.

A transmissão começa às 7:30, horário de Brasília. As inscrições têm de ser feitas previamente por meio do link bit.ly/2Qp8DZ9.

Programação da sexta-feira

Dia 21

Painel III – Agricultura Sustentável e Biodiversidade

Participarão da discussão a vice-presidente de Marca, Inovação, Internacionalização e Sustentabilidade e membro do Comitê Executivo da Natura, Andrea Álvares, o professor catedrático e reitor de Global Food Economics and Policy na China Agricultural University, Fan Shenggen, o vice-presidente e diretor de Operações do Novo Banco de Desenvolvimento, Zhu Xian, o secretário-adjunto de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do MAPA, Cléber Soares, o chefe de Sustentabilidade e Negócios Responsáveis da Syngenta, Juan Gonzales Valero, o especialista e engenheiro sênior do Foreign Environmental Cooperation Center (FECO) do Ministério da Ecologia e Meio Ambiente da China, Yu Zhidi, e o membro da Comissão Executiva para a COP15 do Ministério da Ecologia e do Meio Ambiente da China, Wang Jinzhou. A moderação será do diretor-geral da Agroicone, Rodrigo Lima.

Painel IV – Bioeconomia e Economia Circular

Participam a secretária-geral do Committee of Green Circular and Inclusive Development of All-China Environment Federation, Jiang Nanqing, o CEO da Suzano S.A, Walter Schalka, o CEO da Klabin, Cristiano Teixeira, a fundadora e administradora da R. Cubic, Zhang Miao, e o diretor-geral da Huilin New Material Technology, Liu Wu. A moderação ficará a cargo do diretor-executivo da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), José Carlos da Fonseca Júnior.

Como foi a quinta-feira
Dia 20

Painel I – O Papel das Finanças Verdes no Apoio à Agricultura Sustentável

Com moderação do ex-embaixador do Brasil na China, Marcos Caramuru, o painel reunirá o economista Ma Jun, o ex-chefe de análise de risco do Fundo de Cooperação China-América Latina e Caribe, Fan Xiwen, o diretor de Agronegócio do Banco do Brasil, Antônio Chiarello, a diretora de Produção Sustentável e Irrigação da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do MAPA, Mariane Crespolini, e o diretor de Agronegócio do Bradesco, Roberto França.

Painel II – Práticas Sustentáveis na Agropecuária e Ações Corporativas

Ma Jun será o moderador do segundo painel, que contará com a participação do CEO Global na BRF S.A., Lorival Luz, do diretor de Estratégia e Planejamento do Centro Nacional para Estratégia de Mudança Climática e Cooperação Internacional do Ministério da Ecologia e Meio Ambiente da China, Chai Qimin, do presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente da Confederação Nacional da Agricultura, Muni Lourenço, da presidente da Divisão Crop Sicence da Bayer no Brasil, Malu Nachreiner, e do vice-presidente da Pengdu Agriculture & Animal Husbandry, Li Yebin.

Serviço

O que: Diálogo Brasil-China sobre Agricultura Sustentável
Quando: 20 e 21 de maio, de 7h30min às 10h10h (horário de Brasília), 18h30-21h10 (horário de Pequim)
Onde: via plataforma Zoom
Programação completaneste link.
Bio dos painelistas e convidadosclique aqui para acessar
Patrocínio: Bayer, BRF e Suzano

(*) Com informações do CEBC

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta