Empresários brasileiros avaliam positivamente participação na edição presencial da Gulfood 2021

0

São Paulo – As 42 empresas brasileiras que participaram da feira de alimentos Gulfood, que se encerra hoje (25) em Dubai, nos Emirados Árabes, fazem uma avaliação positiva do evento, que este ano foi realizado num formato bem menor devido à pandemia de Covid-19.

Segundo Rafael Solimeo, chefe do escritório internacional da Câmara Árabe em Dubai, o clima geral após a feira é de otimismo com a perspectiva de retomada de negócios na região. Isso porque muitos empresários, há meses realizando contatos apenas por meios virtuais, puderam ter interações pessoais no evento com compradores e finalmente avançar nas negociações.

“As empresas relataram até alívio, porque é muito difícil vender alimentos sem a possibilidade de o comprador degustar o produto e atestar ele mesmo a qualidade. Mesmo com a feira menor este ano, o objetivo de avançar nas negociações foi alcançado”, relata o executivo da Câmara Árabe, que participou da mostra em apoio à Apex-Brasil.

Após muita incerteza sobre a realização da Gulfood devido à pandemia de covid-19, a feira foi confirmada no início de fevereiro, às vésperas da realização, apesar das restrições de viagens internacionais ainda em vigor naquele momento.

Os Emirados Árabes, que até fevereiro já tinham imunizado quase metade da população, haviam permitido o ingresso no país apenas de pessoas com teste PCR negativo para covid-19 feito até 72 horas antes da chegada no aeroporto. As autoridades sanitárias emírates impuseram ainda barreiras adicionais a viajantes vindos da África do Sul, onde foi registrada uma nova cepa mais contagiosa do novo coronavírus.

No caso dos viajantes brasileiros, embora não houvesse restrições oficiais, a participação de empresas brasileiras foi comprometida pelo cancelamento dos voos diretos partindo de São Paulo e Rio de Janeiro com destino à Dubai até 28 de fevereiro. Mesmo assim, 42 organizações que já tinham representação no mundo árabe fizeram questão de ir à mostra.

“Tivemos uma participação brasileira expressiva. Das 42 empresas participantes, 15 eram associadas da Câmara Árabe. Conduzimos várias rodadas de matchmaking entre as empresas participantes e potenciais compradores no nosso escritório em Dubai. A sensação é de que há muitos contatos promissores”, relata o executivo.

Nas reuniões de intermediação comercial, chamadas por Solimeo de matchmakings, o executivo notou uma mudança importante na demanda árabe. Segundo ele, os compradores estavam mais dispostos a conhecer novos fornecedores e a trabalhar com um leque maior de produtos importados do Brasil.

“Importadores que antes atuavam só com soja ou açúcar estavam considerando importar, também, produtos como carne e alimentos industrializados, sinal de demanda aquecida e de oportunidades”, relata o executivo.

A demanda por alimento no mundo árabe, que sempre foi relevante dadas as limitações da região em solos aráveis e água para produção agroindustrial, ficou ainda mais intensa com o risco de desabastecimento gerado na pandemia nos países tradicionalmente fornecedores de commodities alimentares como o Brasil.

Segundo dados da Câmara Árabe, em 2020 as exportações brasileiras de produtos do agronegócio para os 22 países da Liga Árabe tiveram um aumento de 16% em volume em relação ao ano anterior, reflexo do movimento dos governos árabes para reforçar os estoques de alimentos.

A entidade também relatou que em julho do ano passado foi contatada por importadores árabes sem histórico de atuação no Brasil para ajudá-los a encontrar no país fornecedores capazes de atender ordens de compras adicionais, encomendadas por governos da Liga Árabe.

O chefe do escritório da Câmara Árabe em Dubai afirma ainda que a pandemia acelerou os projetos dos países árabes para diminuir a dependência de alimentos do exterior, a exemplo da Visão 2030, da Arábia Saudita, que pretende atender até 2030 60% da demanda saudita de frango halal (frango produzido em respeito às tradições do islã) apenas com produção local.

Solimeo afirma que essa contingência tornou mais favorável o cenário para empresas brasileiras de alimentos dispostas a ampliar sua atuação no mundo árabe, especialmente com investimentos produtivos nesses países.

(*) Com informações da CCAB

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta