Especialistas apontam 7 dicas para PMEs que desejam importar da China com segurança

0

Da Redação (*)

São Paulo – A China é o principal parceiro comercial do Brasil e em 2021 a corrente de comercio bilateral (exportações+importações) superou a cifra de US$ 135 bilhões, com exportações brasileiras no total de US$ 87,7 bilhões e vendas chinesas no valor de US$ 47,6 bilhões. O intercâmbio com a China proporcionou ao Brasil um superávit de mais de US$ 40 bilhões. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.

Caio Gelfi /Divulgação

Apesar de existir entre os dois países uma relação já consolidada, “não é uma das tarefas mais fáceis encontrar um fornecedor de confiança”, revela Caio Gelfi, diretor comercial da Vixtra, fintech brasileira de comércio exterior. Para Rodrigo Giraldelli, da consultora de importação China Gate, PMEs que querem comprar na China devem se organizar, pesquisar e negociar. “É totalmente possível importar da China com legalidade, segurança e com boa margem de lucro”, diz Giraldelli, que há 21 anos ajuda empresários a importar do país asiático.

Confira as dicas dos especialistas:

Como saber qual produto importar

O primeiro ponto é simples: importe um produto que você sabe vender ou que conhece bem o ramo. Não adianta ter capital para importar um produto que aparentemente dá retorno, se você não tem conhecimento sobre o melhor canal de vendas, se não sabe fazer marketing para aquela mercadoria, ou se não tem clientes específicos prontos para comprar de você. Não escolha um produto só porque está aparentemente em alta.

Busca de fornecedor

A China já superou a fama de produtos de baixa qualidade, tendo em vista que os equipamentos de telecomunicações, incluindo peças e acessórios, são os mais enviados para o Brasil. Sites como Alibaba e Rakumart são os mais comuns para a busca de fornecedores e oferecem uma grande variedade de produtos e fabricantes. É necessário investir tempo pesquisando. Ou você faz isso por conta própria, ou contrata uma assessoria para fazer uma busca por você.

Como saber se o fornecedor é confiável

Mas, como saber se a fábrica existe de verdade na China, se os fornecedores vão entregar o produto? “Para isso, é preciso contratar um serviço de inspeção de fábrica em território chinês, que vai até o local verificar se a fábrica existe, se o local produz a mercadoria, além de checar os documentos da empresa”, explica Rodrigo Giraldelli. Há empresas especializadas nesse tipo de serviço e que podem entregar um relatório com todos os dados sobre o fornecedor em até 48 horas. “O grande gargalo é encontrar informações sobre o fornecedor que passem confiança ao importador, como, por exemplo, saber se o mesmo é bloqueado em outros países ou se cumpre com as regras de compliance internacional”, complementa Caio Gelfi.

Tenha um processo de importação organizado

Apesar do avanço da tecnologia, muitos importadores brasileiros ainda utilizam planilhas para fazer o controle e acompanhamento do processo de importação. “A falta de visibilidade dos processos e necessidade de consolidação das informações dos diversos players envolvidos em um processo de comércio exterior geram retrabalho e gargalos na cadeia de fornecimento”, diz Gelfi. Por isso, ter um processo de importação organizado é importante para evitar dores de cabeça depois que o produto já está em trânsito.

Faça a cotação dos produtos e simulação de custos

Para fazer a cotação dos produtos e simulação de custos, você terá que entrar em contato com o fornecedor através do chat ou e-mail que aparecem no site Alibaba. Muitas vezes, o preço que aparece no site não é o real e funciona apenas para chamar a atenção. Ao entrar em contato com a empresa que está anunciando, especifique o tamanho do seu pedido e dê informações sobre o produto, se necessário. O preço unitário pode reduzir ou aumentar dependendo do tamanho do pedido. “Sempre siga a planilha de custos, levando em conta o capital total que você tem para investir na importação e analise se vale a pena ou não importar”, disse Giraldelli. “Se o custo for 30% menor do que se comprado no Brasil, já é considerado vantajoso. O cenário ideal é se o custo do produto for 50% mais barato”, diz.

Tenha a documentação necessária para importar 

Para importar da China, é necessário ter um CNPJ ativo (de qualquer natureza) e ser habilitado no Radar Siscomex. Essa é uma obrigatoriedade para quem quer atuar no comércio exterior. O Siscomex é o sistema onde o despachante aduaneiro irá registrar a Declaração de Importação (DI) assim que os produtos entrarem no Brasil. O Radar é um mecanismo utilizado pela Receita Federal para analisar a capacidade operacional e financeira da empresa importadora. Você pode habilitar o radar siscomex por conta própria, acessando o Portal Único do Siscomex.

Capital para investir na importação 

Muitos fornecedores chineses priorizam o fechamento das negociações em dólares por ser a moeda mais valorizada no mercado. Não é por acaso que as principais dificuldades que os importadores enfrentam é o capital de giro e o próprio financiamento da mercadoria. “Para isso, é importante ter acesso a outros serviços financeiros, como de hedge, seguro e câmbio, para o cliente se proteger de flutuações de moedas”, explica Gelfi. Além de fechar acordos em dólares, outra prática bastante recorrente é o pagamento adiantado antes mesmo do produto chegar ao país. “Algumas cadeias produtivas, os fornecedores solicitarem o pagamento antecipado em até 180 dias, gerando uma necessidade de caixa ainda maior”, finaliza Gelfi.

(*) Com informações da China Gate e Vixtra

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta