Exportações de bolsas de couro e artefatos permanecem estáveis e totalizam US$ 21,1 milhões

0
223

Última atualização:

Novo Hamburgo -Os embarques internacionais dos fabricantes brasileiros de artefatos de couro (bolsas, malas, mochilas, cintos, malas, luvas e demais acessórios) e artigos de viagem ficaram estagnados nos sete primeiros meses do ano. De janeiro a julho, o setor registrou receita de US$ 24,1 milhões, 1% a mais na comparação com o mesmo período do ano passado, conforme dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Em contrapartida, houve aumento de 18% nas vendas para a Colômbia, um dos mercados-alvo do Brasil by bags, projeto de promoção das exportações desenvolvido pela Associação Brasileira das Indústrias de Artefatos de Couro e Artigos de Viagem (Abiacav), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O aumento dos negócios com o mercado colombiano – o faturamento soma US$ 1,6 milhão no acumulado do ano – é condizente com as ações de promoção comercial realizadas, como por exemplo, a IFLS, que ocorreu em fevereiro e, recentemente (de 29 de julho a 1 de agosto) as empresas retornaram a Bogotá, onde mostraram seus lançamentos na segunda edição do ano da feira. Ou seja, mais negócios a caminho.

França chama a atenção

Já os Estados Unidos seguem sendo o maior comprador dos itens de couro produzidos pelo setor: foram US$ 9,9 milhões de janeiro a julho, porém o valor se assemelha a igual tempo de 2013. A França, nos últimos meses, vem chamando a atenção e se configurando com um destino em potencial: nos sete primeiros meses do ano, o aumento das exportações para os franceses foi de 129%, transações comerciais que saltaram de US$ 1,4 milhão para US$ 3,2 milhões.

Planejamento

Com relação a julho na comparação com o mesmo mês do ano passado, as exportações declinaram 19%, somando US$ 3 milhões. De acordo com o gerente de Projetos da Abiacav, Diogo Ghisoni Serafim, exportar não tem sido uma tarefa fácil para todos os setores, principalmente os da cadeia calçadista.

No entanto, ele acredita em uma reação nos embarques, o que se dará com um complexo trabalho que a entidade está desenvolvendo junto com os fabricantes, desde uma reavaliação do planejamento estratégico à definição de mercados a serem prospectados, para fortalecer o posicionamento das marcas brasileiras no exterior e aumentar a inserção internacional.

”Esse conjunto de ações vai formatar um novo plano de internalização que sob o guarda-chuva da marca setorial Brasil by Bags, construída em parceria com a APEX-Brasil, levará as empresas brasileiras além fronteiras nacionais com um conceito de valor agregado, design e qualidade”, revelou.

Comparativo Embarques 2013/2014

2013(US$) 2014(US$) Variação

Janeiro US$ 3.669.141 /US$4.146.486 (+13%)
Fevereiro US$3.166.133 /US$3.306.160 (+4%)
Março US$2.669.951 /US$2.714.973 (+1,7%)
Abril US$3.459.771 /US$3.215.468 (-7%)
Maio US$3.350.782 /US$5.077.177 (+52%)
Junho US$3.823.707 /US$2.560.978 (-33%)
Julho US$3.802.394/ US$3.079.558 (-19%)

Total: US$23.941.879/ US$ 24.100.800 (+1%)

Principais mercados compradores

Países -Ano 2013 US$
(jan/jun) 2014 US$ (jan/jun)
Estados Unidos 9.862.017/ 9.876.254
Colômbia 1.366.240/ 1.610.847
Espanha 1.489.969/ 1.688.948
França 1.394.402/ 3.198.310

Fonte: Abiacav

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta