Exportações de móveis e colchões têm alta de 34,5% até março e EUA são o principal mercado

0

São Paulo – As exportações brasileiras de móveis e colchões em março de 2021 apresentaram crescimento de 40,1% em relação a fevereiro do mesmo ano. Seguindo, portanto, uma trajetória positiva desde o início do ano, o acúmulo no primeiro trimestre foi de 34,5%. Os dados fazem parte do estudo mensal “Monitoramento das Exportações de Móveis”, edição de abril de 2021, desenvolvido pela Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel), com exclusividade para as empresas associadas ao Projeto Setorial Brazilian Furniture. 

Uma boa notícia é que voltando ao patamar do primeiro mês do ano, todas as categorias analisadas no “Monitoramento das Exportações de Móveis” tiveram avanço nas vendas internacionais no mês de março de 2021. Na comparação com fevereiro, os números em ordem de crescimento foram: estofados, +69,5%; móveis de madeira, +37%; e móveis de metal, +27,6%. Com tal resultado, a categoria “metal” recupera parte do volume perdido no mês anterior, fechando o primeiro trimestre com variação positiva de 6,3%.

Os colchões continuam na liderança quando o assunto são as exportações no setor moveleiro. Crescimento significativo de 81,7% em março na comparação com o mês imediatamente anterior, quando já havia apresentado variação positiva de 63,4%. Dessa forma, o acumulado da exportação de colchões neste ano já é de 62,9%. Nesta categoria, a novidade é que diferente de fevereiro, o Uruguai foi o país que mais importou colchões brasileiros no mês de março (acréscimo de 51%). Deixando, assim, a Bolívia na segunda posição, mas ainda em ritmo acelerado (+106,3%).

Principais destinos dos móveis e colchões brasileiros em março de 2021

Os Estados Unidos seguem firme como o principal destino do mobiliário brasileiro no exterior: +13,7% na passagem de fevereiro para março de 2021 e +31,5% no acumulado dos três primeiros meses. As negociações com o Chile também vêm crescendo a passos largos: +217,8% e +185,8% nas mesmas comparações, respectivamente.

Mais uma notícia muito bem-vinda: após queda de 11% na relação fevereiro-janeiro 2021, as exportações de móveis e colchões para o Reino Unido, importante parceiro comercial no setor, avançaram 27,1% em março. Com a movimentação positiva, o acumulado no primeiro trimestre foi de +7,7%.

Não houve variação negativa na passagem de fevereiro para março entre os principais destinos das exportações brasileiras de móveis e colchões. Indicativo que só ratifica a assertividade dos esforços empenhados pelo Projeto Brazilian Furniture e as empresas participantes na inserção e internacionalização da indústria brasileira de móveis.

Oportunidades no mercado sul-americano: Peru

Outros mercados que vêm demonstrando cada vez mais interesse pelo mobiliário brasileiro são nossos vizinhos sul-americanos. As exportações da indústria para o Uruguai cresceram 42,6% em março; já para o Peru, o incremento nos negócios foi de 48,5% — ambos na comparação mês a mês.

O avanço significativo no comportamento de consumo da população peruana, cada vez mais orientada à qualidade dos produtos quando falamos em bens duráveis, colocam o Brasil como um parceiro de negócios ideal: considerando a proximidade territorial, bem como a maior flexibilidade logística, tecnológica, econômica e de inovação de nossas indústrias.

O móvel brasileiro cada vez mais longe: Arábia Saudita

Em tempo, apesar de não figurar na lista dos dez maiores destinos do mobiliário brasileiro no mundo, as exportações de móveis de madeira para a Arábia Saudita vêm crescendo também com bastante robustez nos últimos meses. Só entre fevereiro e março de 2021, a variação foi de 221,9%. Ao observarmos o acumulado do primeiro trimestre, o salto é ainda maior: 346,3%.

Apesar de um período de baixa nas demais categorias durante o mês de março, todas elas, com exceção de colchões, tiveram avanço no acumulado do ano. Demonstrando, assim, oportunidades tanto para o mobiliário de madeira quanto para móveis de metal e estofados. A Árabia Saudita, aliás, é um dos mercados-alvos do Projeto Brazilian Furniture, apontando para um cenário de ótimas oportunidades a médio prazo. Com este foco, as empresas do projeto participarão da Missão Comercial à EXPO 2021/2022 na região. 

(*) Com informções da Abimóvel

 

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta