Exportações devem crescer até 10,2% em 2022 e contribuem para a recuperação do setor, projeta Abicalçados

0

Novo Hamburgo (RS) – Em recuperação, o setor calçadista brasileiro deve crescer entre 1,8% e 2,7% em 2022, encerrando o ano com uma produção entre 820 milhões e 828 milhões de pares. Os resultados serão puxados pelas exportações, que devem encerrar 2022 com crescimento de 8,4% a 10,2% em relação a 2021 (entre 134 e 136 milhões de pares).

As projeções foram anunciadas no Análise de Cenários, evento digital realizado nesta quarta-feira (13) pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) que contou com explanações da coordenadora de Inteligência de Mercado da entidade, Priscila Linck, e do doutor em Economia Marcos Lélis. O evento contou com o patrocínio da Kisafix e da Blu.

Conforme a análise, após um crescimento de 9,8% na produção ao longo de 2021, ante 2020, o setor calçadista seguirá em ritmo de recuperação ao longo de 2022, mas deve seguir abaixo dos níveis pré-pandemia, em 2019.

 “No ano passado, encerramos com uma produção cerca de 10% menor do que em 2019. Para 2022, mesmo crescendo na base otimista ante 2021 (+2,7%), seguiremos cerca de 8% abaixo dos níveis pré-pandemia”, comentou.

 “O mercado interno, que representa 85% das vendas do setor, segue com uma dinâmica inferior ao crescimento das exportações, reflexo do nível de emprego e crescente inflação, que reduz a renda disponível para consumo”, acrescentou.

Empregos

Depois de ter criado 27 mil postos na atividade, ao longo do ano passado, o setor calçadista brasileiro, que criou outros 13 mil no primeiro bimestre de 2022, deve encerrar o ano com saldo positivo na geração de empregos. Conforme análise da Abicalçados, a indústria calçadista deve encerrar o ano com crescimento entre 1,3% e 5,3% no estoque de empregos, com mais de 270 mil pessoas empregadas na atividade em todo o Brasil.

Projeções

As projeções setoriais da Abicalçados são realizadas por meio de análises das perspectivas de crescimento dos PIBs brasileiro e dos Estados Unidos – principal destino das exportações de calçados -, e o comportamento do câmbio. Lélis destacou que o PIB brasileiro, que cresceu 4,6% no ano passado, vem em desaceleração desde o início do ano.

“O Brasil parece ter um limitador de crescimento, baseado especialmente no baixo investimento público, no aumento da desigualdade e com o componente da inflação, hoje em dois dígitos”, ressaltou o economista, destacando que, para 2022, a previsão é de um crescimento no PIB de apenas 0,5%. “O baixo crescimento interno deve impactar o setor calçadista brasileiro ao longo do ano”, diz.

Pesquisa

A Abicalçados divulgou, ainda, uma pesquisa realizada com empresas do setor calçadista, que apontaram as principais dificuldades enfrentadas ao longo do ano passado e os impactos esperados para 2022. A principal dificuldade apontada em 2021, e que repete a posição para o ano corrente, é a elevação dos custos com insumos e matérias-primas. Na segunda colocação, que também repete posição para 2022, está a falta de insumos e matérias-primas. No terceiro posto, para o ano corrente, está a dificuldade de contratação de trabalhadores em função da falta de mão-de-obra, problema que estava na quinta colocação em 2021.

A apresentação completa pode ser acessada no link.

 *Com informações da Abicalçados

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta