Na Fiesp, Acelera scale-up apresenta empresas de alto crescimento de Portugal, Rússia e Reino Unido



Última atualização: 6 de Novembro de 2019 - 10:56
0
440
O Acelera Scale-Up sediou a final das premiações Brazil Tech Award e UpLab, do Senai-SP.

São Paulo – Sempre inovando, o Acelera, em sua 23ª edição, apresentou o universo das scale-ups, empresas escaláveis, raras e de alto crescimento, com negócios que crescem pelo menos 20% ao ano, por três anos consecutivos, em número de funcionários ou receita. Em parceria com o Brazil Tech Award – o prêmio inédito seleciona scale-ups do mundo inteiro para atuar no mercado brasileiro. O Acelera Scale-Up sediou a final da premiação e o público pode conferir os pitches das scale-ups finalistas de Portugal, Rússia e Reino Unido: InfraspeakIllumrPromptly HealthTalkbank.io e Voltaware, que foi a vencedora do Brazil Tech Award.

A Voltaware trabalha com tecnologia de monitoramento de consumo de energia elétrica em tempo real. Rastreia o consumo de energia e identifica níveis anormais de uso de energia, emitindo avisos para otimização do sistema e sugerindo formas para reduzir o consumo, que pode levar à redução da conta do mês com energia elétrica.

“As scale-ups são uma novidade no Brasil, a Fiesp largou na frente, na vanguarda desse tema. É importante olhar para essas empresas porque a gente fala muito das startups pequenas e dos unicórnios, aquelas que valem mais de 1 bilhão de dólares, e no meio do caminho estão as scale-ups.  Temos que olhar pra elas, elas vão investir no Brasil, já temos scale-ups brasileiras e como sempre a Fiesp tem que dar apoio para este tipo de empresa”, destacou Sylvio Gomide, diretor do Departamento da Micro, Pequena, Média Indústria e Acelera Fiesp. Ele ainda lembrou que a federação foi uma das primeiras entidades a realizar eventos com startups no Brasil.  Em 23 edições, o Acelera já avaliou mais de 53 mil projetos e 3.490 foram selecionados.

Ecossistema

A programação também contou com palestras sobre o ecossistema brasileiro de inovação, investimentos, linhas de fomento para startups e empreendedorismo em outros países. No painel “Ecossistema de Empreendedorismo e Inovação”, foram apresentadas as principais tendências e oportunidades para startups no Reino Unido e China. Sócio da Spiralem – Innovation Consulting e professor da FGV, Bruno Diniz, disse que o Vale do Silício tem muito a ensinar, mas é preciso olhar para o resto do mundo porque tem muita coisa acontecendo. O Reino Unido, por exemplo, oferece facilidades como isenções fiscais para investidores anjos.

“China é um outro mundo pra desbravar. A China se desenvolveu de uma forma muito fechada principalmente com relação as startups, não permitiram a entrada de grandes players globais como o Facebook, mas essa blindagem alimentou as empresas locais que ficaram muito grandes e estão começando a espalhar tentáculos ao redor do mundo”, pontuou Bruno.  Como destaque, ele citou Alibaba, AliExpress, Badoo, Tencent, Xiaomi e Tik Tok.

Franklin Ribeiro, head do Ecossistema de Startups da Investe SP, comentou a fixação do brasileiro pelo Vale do Silício e disse que é necessário desmistificar o ecossistema estrangeiro. “A promoção de startups é o novo nome do desenvolvimento econômico”, citou o head da Investe SP.

E no Brasil, o cenário é positivo de acordo com Bruno. “O ambiente de startups nunca teve um momento melhor do que o que estamos vivendo hoje. Nove anos atrás as coisas eram mais várzea, não tínhamos tanto apetite dos grupos estrangeiros pra investir aqui, uma Selic favorável. Estamos vivendo um bom momento com diferentes programas de aceleração, incentivo e apoio. Os estrangeiros já descobriram que o Brasil e a América Latina tem um potencial gigantesco.  É hora de aproveitar a oportunidade para empreender”, garantiu o sócio da Spiralem.

UpLab

O Global Startup Ecosystem Report (GSER)estudo mundial sobre startups realizado pelo Startup Genome, destacou São Paulo como um dos trinta ecossistemas mais promissores do mundo. Atento as tendências, o Senai-SP lançou o programa UpLab, ambiente de empreendedorismo e inovação criado para oferecer o suporte necessário para impulsionar e acelerar o lançamento de startups com conexão industrial no mercado.

As startups que irão estrear o programa UpLab foram anunciadas pelo presidente da Fiesp e do Senai-SP, Paulo Skaf. São elas: Print Green 3D, HVEX, ProHound, Evoy, InfraSolar, Sense+ e IoT Lockers.

O presidente da Fiesp e do Senai-SP, Paulo Skaf, com os vencedores do UpLab.

O programa de aceleração UpLab tem duração de até 10 meses (sendo 4 de validação e, se aprovado, mais 6 de desenvolvimento e vendas) e oferece até 3 posições fixas nos espaços de coworking do Senai-SP, acesso aos serviços tecnológicos da entidade, mentorias com especialistas técnicos, jurídicos e de negócios, acelerador dedicado especializado em métodos de desenvolvimento de produtos e de soluções, capacitação em Design Thinking, Lean Startup, UX e Métodos Ágeis, conexão com os maiores players industriais de São Paulo para novos negócios, provas de conceito, validação ou investimento.

“Estamos muito felizes de entrar no UpLab. A gente entende que a gente tá crescendo, mas a gente precisava de uma aceleradora para conquistar novos mercados. Teremos acesso a toda rede Senai que a gente sabe que tem profissionais muito bons que vão ajudar a gente a melhorar e desenvolver nossos produtos”, disse William Lima, sócio da Print Green 3D.

Saiba mais sobre o UpLab.

(*) Com informações da Fiesp

Comentários

Comentários

Deixar uma resposta