Por que o agronegócio deve buscar proteção na Segurança Exponencial?

0

Lourival Trevizolli Júnior (*)

O agronegócio envolve uma cadeia de atividades que não está limitada apenas à produção agrícola e pecuária. Há também os setores adjacentes, como o de maquinários agrícolas, herbicidas, fertilizantes, adubos, tecnologia de ponta, produtores de ração e laboratórios de pesquisa, entre outros.

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA) da Esalq-USP, o agronegócio brasileiro é um dos mais representativos do mundo, movimentando cerca de 100 bilhões de dólares anualmente e posicionando o Brasil entre os cinco maiores produtores agrícolas, ao lado de Estados Unidos, China, Índia e Rússia.

Ainda no cenário de boas perspectivas, nos últimos 40 anos a produção agropecuária brasileira se desenvolveu de forma exponencial, apoiada pelo desenvolvimento tecnológico em um movimento em busca constante de inovação digital, de acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Mas, o fato de o setor ganhar grande destaque e veiculação na mídia, associando o mercado à fartura, à prosperidade e à riqueza, atrai olhares nem sempre bem-vindos. Numa rápida busca na internet, tendo como base o tema de problemas de segurança no campo, conseguimos listar várias ocorrências de roubo e furto de implementos agrícolas, fertilizantes, defensivos, produtos acabados, veículos e equipamentos, não apenas nas sedes das empresas ou propriedades dos produtores, como também na cadeia logística, tanto de recebimento como de expedição.

Os produtores, por sua vez, não priorizam a cultura da segurança em seus negócios. E, na ânsia de uma solução rápida para seus problemas, acabam se expondo a outros tipos de risco que poderiam ter sido previstos e evitados.

Um exemplo claro é a contratação de vigilantes, guardas e agentes por indicação de um amigo, familiar ou colaborador da empresa, que, por muitas vezes, não é um profissional treinado, pois não possui os registros e as certificações obrigatórias para o exercício da profissão. Logo, poderá trazer mais problemas do que soluções, com danos materiais e até mesmo responsabilidade civil, resultando em possível prisão do responsável pela contratação desta mão de obra. Outras possíveis consequências seriam o impacto negativo com a exposição da marca da empresa ou propriedade, perda de ativo e, porventura, a desvalorização do negócio perante o mercado.

Devemos considerar ainda que, com o aumento da participação da tecnologia no dia a dia do segmento agro, a vulnerabilidade cibernética passa a ser também um ponto de alerta. Imagine que equipamentos que fazem o plantio, o controle da produção e a colheita de forma totalmente autônoma tivessem sua estrutura de rede de dados invadida e seus dados sequestrados e criptografados por um hacker que, num momento oportuno, cobraria valores altíssimos para o desbloqueio e a devolução dos dados. Isto com certeza paralisaria todo o fluxo de produção e, consequentemente, causaria um dano financeiro inimaginável.

Nesse sentido, o caminho para mitigar riscos aponta para uma política que prioriza a prevenção ou mesmo uma predição, incorporando inteligência ao fluxo da segurança para observar o negócio por todos os ângulos e, ao mesmo tempo, atuar nos pilares de tecnologia, processos, pessoas, informações e gestão, ou seja, realizando uma gestão de segurança exponencial. Em outras palavras, que prioriza a evolução e a tendência de desenvolvimento constante.

Cada propriedade sofre com problemas variados e graus diferentes de criticidade. Por isso, a recomendação principal é que, em primeiro lugar, seja realizado um estudo detalhado e customizado, levando em consideração as particularidades do negócio.

Caso a opção seja terceirizar a área de segurança, a principal recomendação é buscar por uma empresa especializada, com experiência comprovada no mercado e que desenvolve suas atividades dentro de princípios éticos. Uma especialista poderá criar e atualizar processos, recomendar tecnologias, apresentar as boas práticas do mercado, indicar as melhores soluções alinhadas com a inovação, apontar um caminho seguro rumo à maturidade em segurança, bem como orientar para que todos os serviços contratados estejam em conformidade com a legislação e alinhados com os princípios éticos e pró-compliance.

(*) Lourival Trevizolli Júnior é consultor master de Segurança Empresarial na ICTS Security, empresa de origem israelense que atua com consultoria e gerenciamento de operações em segurança.

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta