Programa da CNI, “Ajude Aqui” tira dúvidas sobre comércio exterior em até 6 horas úteis

0

Brasília – Ao pensar em exportar você fica animado ou preocupado? Logística, tributação, sistemas aduaneiros e documentação são algumas das etapas da exportação, mas não formam um bicho de sete cabeças como parece.

Em entrevista a Agência de Notícias da Indústria, o especialista em Comex360º e comércio exterior, Leonardo Schmidt explica o que é necessário para começar a exportar, quais os riscos e quais os benefícios.

Além disso, Schmidt fala sobre o programa Ajude Aqui, no qual é consultor. Esse serviço foi criado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com o objetivo de aproximar as micros e pequenas empresas brasileiras da internacionalização. A consultoria é gratuita e tira dúvidas sobre exportação e importação em até seis horas úteis. Os atendimentos são realizados por e-mail, telefone, Whatsapp e formulário on-line disponível no site do Indústria Global.

“O objetivo é criar um canal de suporte às empresas e, a partir das dúvidas mais frequentes, promover melhorias no ambiente de negócios. O Ajude Aqui veio para impulsionar o crescimento de MPEs brasileiras fora do Brasil e, consequentemente, aumentar a competitividade das empresas no mercado interno, seja nos produtos, serviços e embalagens ou na própria gestão da marca”, destaca o coordenador de Serviços de Internacionalização da CNI, Felipe Spaniol.

Em conjunto com a assessoria virtual, as empresas atendidas também podem buscar apoio no Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do seu estado ou no Sebrae local.

Outras iniciativas do Indústria Global

O convênio Indústria Global, da CNI com o Sebrae, oferece diversos serviços voltados para a internacionalização de pequenos negócios. Em 2021, as instituições investiram mais de R$ 2,6 milhões para oferecer cursos de capacitação, workshops, webinars, além de mentoria para micro e pequenas empresas. Acesse o site e saiba mais sobre as ações previstas.

(*) Com informações da CNI

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta