Programa StartOut Brasil: empresas brasileiras buscam internacionalizar seus negócios no Chile com apoio da ApexBrasil

0

Brasília –  Por meio do programa StartOut Brasil, a Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (ApexBrasil) realizará mais uma ação de apoio à internacionalização de empresas brasileiras, desta vez na capital chilena, em Santiago. O programa auxilia a inserção de startups brasileiras nos mais promissores ecossistemas de inovação do mundo e é desenvolvido em parceria com o Ministério de Relações Exteriores, Ministério da Economia, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Entre os dias 12 e 17 de junho, a ApexBrasil vai liderar a “missão de imersão” do ciclo Santiago 2022, levando 15 startups selecionadas para participar de diversas atividades na capital chilena. O objetivo da missão é que essas startups conheçam melhor o ecossistema de tecnologia e inovação do Chile, a fim de compreender o mercado local e analisar o campo e a investida para se instalar naquele país.

As inscrições para o ciclo Santiago 2022 terminaram em fevereiro deste ano com 130 empresas inscritas. Destas, 40 foram selecionadas por uma banca avaliadora e passaram pela primeira etapa, a “missão virtual”. As participações nas atividades da “missão virtual” e “fit de mercado” (avaliação que vem diretamente dos investidores e potenciais parceiros de negócios)foram os critérios de seleção para a segunda etapa no Chile a ser realizada ainda neste mês, a “missão de imersão”.

As 15 startups selecionadas para esta segunda etapa vão com a ApexBrasil para Santiago. A próxima e última etapa do ciclo Santiago 2022, a “missão follow-up”, está prevista para acontecer de julho a novembro deste ano. Todos os ciclos do StartOut Brasil passam por essas três etapas.

Com a “missão de imersão”, a ApexBrasil tem o objetivo de apoiar a extensão internacional de operações das empresas participantes, atrair investimentos e buscar parceiros de negócios. De acordo com Clarissa Furtado, gerente de Competitividade da ApexBrasil, o Chile se apresenta como uma ótima opção para plataforma de teste para expansão internacional. “O negócio que escalar no Chile tem potencial para escalar em outros mercados”, afirma Clarissa.

Segundo o chefe do setor de tecnologia e inovação da Embaixada do Brasil em Santiago, o diplomata Leandro Rocha de Araujo, que também fez parte da banca examinadora do ciclo Santiago 2022, o mercado chileno apresenta hoje um ecossistema de inovação e tecnologia bastante desenvolvido, exigente e com diversos programas e incentivos para atração de startups estrangeiras. Ele afirma também que os chilenos têm muito interesse em consumir serviços de tecnologia e inovação e que é um mercado que cresce a cada ano no país.

“É um ambiente competitivo, muitas empresas de diversos países estão aqui no Chile em fase inicial de internacionalização. Para o Brasil, é um parceiro fácil, pois não é muito diferente culturalmente, a língua não é difícil e, além disso, o sistema tributário é desenvolvido e simples, de fácil compreensão”, explica o diplomata.

Ao longo da missão em Santiago, os participantes passarão por treinamentos, mentorias técnicas e de negócios, seminários de mercado, rodadas com prestadores de serviços, visitas técnicas, reuniões de negócios organizadas por matchmaker local, apresentação para investidores e aceleradoras, bem como encontros com empreendedores brasileiros já estabelecidos no mercado local. As atividades presenciais são preparadas pela ApexBrasil com apoio da Embaixada local.

Dentre as atividades da agenda em Santiago está uma visita ao programa Startup-Chile, uma aceleradora criada pelo governo Chileno em 2010 para fomentar uma cultura de empreendedorismo no país. O programa é referência no setor e recebe há mais de 10 anos startups do mundo inteiro, inclusive do Brasil.

“Além das empresas conhecerem o ambiente de inovação, criamos espaço para que as startups brasileiras apresentem seu pitch para a banca examinadora do Startup-Chile. Será uma oportunidade muito bacana”, afirma Leandro Araujo, que neste ano também foi convidado para integrar a banca examinadora do programa chileno.

Espera-se, com essas atividades, que os participantes compreendam as características principais do ecossistema chileno e sejam capazes de avaliar as adaptações necessárias em suas propostas de negócio para que possam se instalar com estratégia e segurança naquele país. A expectativa é que eles possam também obter dados de seus segmentos para conhecer seus principais concorrentes e estratégias de precificação no mercado, melhores práticas, hábitos de consumo, custos envolvidos, aspectos legais e tributários, entre outros.

Criado em 2017, o StartOut Brasil tem a missão de transformar a mentalidade do empreendedor no Brasil, incentivando desde o início a criação de modelos de negócio e tecnologias inovadoras voltados para mercados globais. “A internacionalização é fundamental para que qualquer empresa possa ganhar escala, ter capacidade de competir em diversos mercados, acessar novas tecnologias, estabelecer novas parcerias e inovar”, explica Jackline Conca, Subsecretária de Inovação e Transformação Digital do Ministério da Economia.

O programa já realizou 11 ciclos de internacionalização em 9 países diferentes, como China, Estados Unidos, França, Alemanha, Canadá, Colômbia, Portugal, Chile e Argentina. De acordo com o relatório do Ministério da Economia sobre os quatro anos do StartOut Brasil, entre 2018 e 2021, o programa fez mais de 220 atendimentos, atendeu 149 startups e gerou mais de US$ 16 milhões em negócios. Este é o segundo ciclo que acontece em Santiago. O primeiro foi em 2019.

 

O próximo ciclo do StartOut Brasil será em Chicago, nos Estados Unidos. As inscrições  já estão abertas no site do programa: www.startoutbrasil.com.br .

 

(*)  Com informações da ApexBrasil

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta