Quer começar a vender online para o exterior? Confira aqui dicas de acesso aos mercados internacionais

0

São Paulo – Apenas no primeiro semestre de 2020, por conta da pandemia, o faturamento das lojas online nacionais cresceu cerca de 47%, se comparado ao mesmo período de 2019, de acordo com dados de levantamento realizado pela Ebit/Nielsen. O faturamento de lojas online cresceu 47% no 1º semestre de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019: é a maior alta do setor em 20 anos.

E, assim como as limitações impostas pela pandemia, o crescimento das interações online ocorreu em todo o mundo, o que destaca ainda mais os benefícios de ter uma loja online e abre portas para quem quer vender internacionalmente. A projeção feita pela pesquisa Forrester, por exemplo, indica que o comércio eletrônico internacional deve ter aumento nos lucros de US$ 629 bilhões até o fim deste ano.

Porém, exportar pode não ser tão simples quanto vender no Brasil, mesmo para aqueles que já são experientes, porque as diferenças entre os povos influenciam muito na decisão de compra. Confira o que é necessário levar em consideração para ter sucesso nas exportações.

Foto: Divulgação/Freepik

Leis de cada país

Objetos e composições que são completamente comuns e legais no Brasil podem ser proibidos em muitos outros; portanto, o primeiro passo é verificar se não há nenhuma norma que configure o seu produto como ilegal no outro país. Envios indevidos podem gerar multas e até mesmo ser vistos como crime de tráfico internacional, ou seja, preste atenção ao que é proibido.

Inteligência de mercado

Inteligência de mercado nada mais é do que conhecimento sobre o que é procurado, onde é mais consumido, qual a frequência de compra e o preço médio oferecido. Todo esse acúmulo de informações ajuda a delimitar em quais países o produto pode ter sucesso de vendas e para quais públicos o item será destinado.

Esse estudo é essencial até mesmo para quem já é experiente no mercado nacional, porque a cultura de cada país também interfere nos gostos do público.

Forma de pagamento preferida pelo cliente

A conversão da forma de pagamento para a moeda do cliente é também um motivador para compra, e essa conversão pode ser feita a partir da contratação de programas de pagamentos, como PicPay e PagSeguro, por exemplo, que, além de fazerem a conversão, também permitem receber por cartão de crédito de forma segura, o que melhora o customer experience (experiência do consumidor), que define se o cliente vai voltar a comprar na loja e até mesmo indicá-la a outras pessoas.

Eficiência no atendimento

Um produto importado pode ser olhado com desconfiança pelo medo do comprador de não receber o item, por conta dos muitos trâmites de importação pelos quais o pacote precisa passar para atravessar fronteiras. Portanto, para conquistar boas avaliações, é importante que a comunicação com o cliente não seja demorada ou ineficiente, assim como o site da loja precisa ser funcional e intuitivo.

(*) Com informações  da Conversion

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta