SIAVIS projeta expansão em 2015 e quase 100% dos espaços do Salão já foram comercializados

0

São PauloA  pouco menos de um ano da realização do Salão Internacional da Avicultura e Suinocultura (SIAVS), a comercialização do maior e mais importante encontro dos setores de aves e suínos do Brasil atesta o bom momento vivido pela cadeia de proteína animal do Brasil neste ano.

Programado entre 28 e 30 de julho de 2015, no Anhembi (São Paulo/SP), o SIAVS já conta com 90% de toda a sua área comercializável vendida para empresas dos mais variados segmentos, como empresas de equipamentos, de rações, laboratórios, certificadoras, casas genéticas, agroindústrias produtoras e exportadoras, entre outros.

De acordo com o presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, o grande interesse das empresas do setor destaca o cenário positivo da avicultura e da suinocultura do Brasil.

“O mercado interno segue aquecido, enquanto vemos um cenário otimista nas exportações. O momento é positivo, com produtores e empresas investindo na melhoria dos processos produtivos, com ampliação do emprego de tecnologias que otimizem a eficiência produtiva”, ressalta Turra.

Principal encontro de negócios de produtores, técnicos e empresários da avicultura e da suinocultura, o SIAVS é um dos principais “termômetros” deste momento de investimentos.

“A intensificação da busca de empresas interessadas em participar do evento reforça a constatação de um bom momento para as cadeias produtivas de aves e suínos. Além de participar do SIAVS, empresas estão investindo, também, em ampliação da área de exposição, para reforçar a presença junto aos dois setores”, ressalta o presidente da ABPA.

Conforme o diretor comercial do SIAVS, José Perboyre, frente a este cenário, a organização do evento planeja expandir a área de exposição do evento em 2015.

“Com a planta atual praticamente ocupada, é provável que tenhamos que investir na expansão do SIAVS, para que ele cumpra seu papel de ser um evento do tamanho de nossas cadeias produtivas”, aponta Perboyre.

Fonte: ABPA

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta