Sindiadubos prevê redução de 30% na descarga de fertilizantes no país pelos portos do Paraná até o final deste ano

0

Curitiba (PR) – O Sindicato da Indústria de Adubos e Corretivos Agrícolas do Paraná (Sindiadubos) prevê uma redução de 30% na descarga de fertilizantes pelos portos do Paraná até o final deste ano. Aliado a isso, a entidade estima queda nas entregas anuais – comercializadas e enviadas aos produtores – que pode variar de 9,4% a 16,5%.

Em um cenário de redução de 10% na importação, entre os meses de agosto a dezembro deste ano, a queda no ano será de 9,4% na entrega, e o estoque final chegaria a 9,13 milhões de toneladas armazenadas sem comercialização. Volume 41% maior do que havia em estoque no mesmo período do ano passado.

Já em uma projeção de redução na entrega ao agricultor de 25%, cerca de 12,3 milhões de toneladas do produto ficariam armazenadas. Neste cenário o balanço final seria ainda menos otimista, com um percentual de 91% a mais de produto em estoque, no comparativo de 2021 com 2022.

Os diferentes cenários de queda foram apresentados para representantes do setor produtivo e empresários que atuam no ramo de fertilizantes participaram, na última semana, em Curitiba, durante o Simpósio Sindiadubos NPK 2022. O evento contou com mais de 600 participantes do Brasil e de outros países como China, Rússia e Canadá.

De acordo com o presidente do Sindiadubos, Aluísio Schwartz Teixeira, as projeções foram realizadas com base em dados até o mês de julho divulgados pela Associação Nacional para Difusão de Adubos (ANDA) e no cenário atual de compra e entrega do produto aos agricultores.

“Tivemos um ano atípico, com um alto volume de importação. Com isso, os agricultores antecipam a compra do produto que encontra-se armazenado, ocasionando em uma queda na importação e na entrega do produto até o final do ano”, afirmou Aluísio. Segundo ele, o mercado está se ajustando e com a redução nos estoques, o equilíbrio acontecerá a partir do fim do ano.

Economia e política internacional

O Brasil comprou um volume recorde de adubos em 2022. A medida foi para garantir insumos suficientes para a expansão da área plantada diante dos temores de escassez por conta da guerra entre Ucrânia e Rússia, que é um importante fornecedor. Os Portos do Paraná são a principal porta de entrada dos adubos no país, 30% do produto chega por Paranaguá e Antonina.

O diretor de Operações da Portos do Paraná – APPA, Luiz Teixeira da Silva Júnior, presente no Simpósio, disse que a Administração Portuária investe continuamente em melhorias operacionais para que os custos fiquem mais competitivos para o agronegócio.

“A Portos do Paraná investe na infraestrutura marítima e terrestre. Na produtividade dos navios o investimento é realizado por meio de regulamentações que possibilitam segurança jurídica ao importador”, conta Teixeira.

De outro lado, segundo ele, também há investimento dos operadores portuários para aumentar a capacidade no recebimento do produto importado. “O porto funciona por demanda, tendo muita importação, acompanhamos este aumento. Os operadores portuários estão investindo em equipamentos modernos e em armazenagem para comportar a importação de fertilizantes.”

Investimento em armazenagem

A Fortesolo – operadora portuária especializada em descarga e armazenagem de fertilizantes em Paranaguá – trabalha para ampliar a sua infraestrutura de armazenagem.

Para os próximos meses, a expectativa é aumentar em 45% a capacidade dos armazéns, passando de 227 mil toneladas para 327 mil toneladas. “Estamos crescendo em capacidade de armazenagem para atender o mercado”, destaca o presidente da Fortesolo, Marco Ghidini.

Já o Porto Ponta do Félix, localizado em Antonina, Litoral do Paraná, também investe na ampliação da capacidade estática, de 310 mil toneladas para 545 mil toneladas. O Terminal conta ainda com um entreposto aduaneiro, que ocasionou na primeira reexportação de fertilizantes do país.

Devido aos altos estoques, bem como a queda registrada nos preços dos fertilizantes, principalmente fósforo e potássio, a reexportação foi uma estratégia encontrada pelo setor.

Isso porque o entreposto possibilita a suspensão do pagamento de tributos, sob controle fiscal, já que em recinto alfandegado a carga permanece sob propriedade do exportador, sem que tenha sido importada e nacionalizada. “O recinto alfandegado é considerado uma zona neutra, comum em portos para efeito de comércio exterior. Isso aumenta a flexibilidade na comercialização, sem a incidência de tributos nacionais”, relata o presidente do Porto Ponta do Félix, Gilberto Birkhan.

No mês de outubro o Porto reexportou 40,4 mil toneladas de fertilizantes em duas operações, uma delas para os Estados Unidos e outra para a Jordânia.

(*) Com informações do Sindiadubos Paraná

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta