Vendas externas de componentes para calçados interrompem trajetória de alta e desabam 111% em outubro

0

Novo Hamburgo (RS) – Depois de meses consecutivos de altas, as exportações de componentes para calçados registraram uma queda significativa em outubro. No mês, conforme dados elaborados pela Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), as exportações do setor geraram US$ 19 milhões, 111% a menos do que no mesmo mês do ano passado. Mesmo com o dado negativo, no acumulado de janeiro a outubro o setor segue registrando dados positivos. Nos dez meses do ano, as exportações somaram US$ 351 milhões, 14% mais do que no mesmo período do ano passado.

O gestor de Mercado Internacional da Assintecal, Luiz Ribas Júnior, destaca que a queda registrada em outubro foi um ajuste “esperado”, diante de um final de 2021 extremamente atípico. “No último trimestre do ano passado tivemos resultados extraordinários, diante um pico produtivo e também de uma demanda internacional mais intensa em função dos altos custos dos fretes chineses”, avalia o gestor, ressaltando que o valor registrado no mês passado está “na média” do setor.

Segundo ele, o ano segue sendo bastante positivo para a atividade, que conquistou mercados principalmente na América Latina e nos Estados Unidos. “Dos nossos dez principais destinos internacionais, seis são da América Latina. Já os Estados Unidos aumentaram suas importações de componentes brasileiros em 56% na relação com 2021 (comparativo do acumulado janeiro e outubro)”, acrescenta.

Destinos

Nos dez primeiros meses do ano, o principal destino dos componentes para calçados no exterior foi a Argentina, que importou o equivalente a US$ 76 milhões, 37% mais do que no mesmo período de 2021.

O segundo destino do setor no período foi a China, país que tem na sua pauta importadora muitos produtos químicos para couros. Nos dez meses, foram exportados para lá o equivalente a US$ 65,7 milhões, 14% menos do que no mesmo intervalo do ano passado.

O terceiro destino do período foi Portugal, para onde foram embarcados US$ 44,3 milhões em componentes brasileiros, 36% mais do que no mesmo período de 2021. Na quarta posição aparece os Estados Unidos, para onde as exportações do setor somaram US$ 9 milhões, acréscimo de 56% em relação ao período correspondente do ano passado.

Estados

O principal exportador de componentes do Brasil nos primeiros dez meses do ano foi o Rio Grande do Sul. No período, saíram das fábricas gaúchas o equivalente a US$ 190 milhões, 8% mais do que no mesmo intervalo de 2021.

O segundo exportador do setor no País foi São Paulo, de onde partiram o equivalente a US$ 42 milhões em componentes para calçados, 38% mais do que no mesmo ínterim do ano passado.

O terceiro exportador de componentes do período foi a Bahia. Nos dez meses, as exportações baianas somaram US$ 27,34 milhões, 34% mais do que no mesmo período de 2021.

Produtos

Em termos de produtos, os mais exportados de 2022 foram os Químicos para Couros, que somaram US$ 158 milhões nos dez meses, 5% mais do que no mesmo intervalo de 2021.

Na sequência, apareceram os Cabedais – parte de cima dos calçados -, com US$ 94,8 milhões (10% mais do que no intervalo correspondente de 2021); os Químicos para Calçados – adesivos -, com US$ 42,4 milhões (35% mais do que no ano passado); e solados, com US$ 23 milhões (44% mais do que em 2021).

(*) Com informações da Assintecal

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta