Vinhos finos lideram ranking dos mais consumidos, com alta de 21,24% em outubro, diz Uvibra

0

Bento Gonçalves (RS) – Apesar da proximidade das festas de final de ano e da comercialização de espumantes seguir em alta na comparação com 2020, são os vinhos finos que tiveram o melhor desempenho durante o mês de outubro.

Enquanto o incremento de espumantes foi de 10% em relação ao mesmo mês do ano passado, os vinhos cresceram 21,24% alcançando um volume nesses 30 dias de 2,1 milhões de litros contra 1,7 milhões. Já no acumulado de janeiro a outubro o aumento é de 10,99% chegando a 23 milhões de litros. Neste intervalo, os espumantes somam 20,8 milhões de litros nos 10 meses contra 14,8 milhões no mesmo período de 2020, um aumento de 40%.

A retomada dos eventos tem sido o principal fator a acelerar a venda dos espumantes. Mas a mudança de comportamento diante da pandemia, com o aumento do consumo de vinho em casa, associado a abertura dos restaurantes, atrativos turísticos e eventos, têm sido responsável por manter em alta a venda de vinhos. A expectativa do setor é que até o final do ano as borbulhas ganhem ainda mais impulso e na categoria de vinhos, os brancos e rosés, tenham maior atenção dos consumidores.

O presidente da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), Deunir Luís Argenta, está confiante, mas sabe que assim como 2020, 2021 é um ano atípico. “Nosso desejo é que os brasileiros tenham descoberto de fato os vinhos brasileiros, percebendo a qualidade da produção local. Com a retomada dos eventos e o retorno da rotina no pós-pandemia estamos ansiosos para ver como a comercialização se comporta”, destaca. Argenta espera que o desempenho de venda de espumantes até o final do ano ultrapasse os 22,4 milhões de litros de 2019. “Estamos quase lá”.

Suco de uva amarga leve queda

O suco de uva brasileiro, derivado da uva responsável pelo maior volume, segue registrando queda nas vendas. De janeiro a outubro, foram vendidos 134,7 milhões de litros, 2,39% menos que no mesmo período de 2020 e 4,78% menos que em 2019.

(*) Com informações da Uvibra

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta